17 de novembro de 2005

Vozes do Mar - 1

Vozes do Mar é o título de um poema de Florbela Espanca, que escolhi para epígrafe de três ilustrações de poemas sobre o mar. As imagens foram colhidas na frente marítima do Porto.




Oceano Nox

Junto do mar, que erguia gravemente
A trágica voz rouca, enquanto o vento
Passava como o voo dum pensamento
Que busca e hesita, inquieto e intermitente,

Junto do mar sentei-me tristemente,
Olhando o céu pesado e nevoento,
E interroguei, cismando, esse lamento
Que saía das coisas, vagamente...

Que inquieto desejo vos tortura,
Seres elementares, força obscura?
Em volta de que ideia gravitais?

Mas na imensa extensão, onde se esconde
O Inconsciente imortal, só me responde
Um bramido, um queixume, e nada mais...

Antero de Quental

Poesia Completa, 1842-1891
Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2001

6 comentários:

Mendes Ferreira disse...

E escolheu Bem.como sempre. ficou lindo. a união perfeita....bjs.

CARMO disse...

Diria mais... escolheste lindamente! A fotografia está sensacional e combina na perfeição com o poema. Parabéns! Este blog sobe a qualidade de post em post...

amie disse...

o mar chega a ser realmente impressionante em dias destes!

Lino Gomes disse...

Que união excelente: palavras e imagem ambas de grande beleza

Rosario Andrade disse...

Excelente!
E o teu blog faz crescer em mim as saudades do Porto!... há quanto tempo?... que saudades!
Pronto, veio agora a ideia fixa instalar-se no meu espirito... voltar ao Porto e respirá-lo. Sorver-lhe os rostos de pedra, beber-lhe o coracao liquido, a alma aveludada... tenho de voltar ao Porto... e depressa!

Abracicos!

Pedro Estácio disse...

União perfeita!

Ah, o mar, o mar, sempre recomeçado!

Óptima escolha, Carlos!

Um Abrç,
Pedro Estácio