31 de janeiro de 2005

Encantamento Nocturno em Contra-Luz, na Rotunda



Uma piscar de olho aos autores do Dias com Árvores, que viram o seu pedido de classificação de interesse público, de 11 conjuntos arbóreos no Porto, reconhecido pela Direcção-Geral das Florestas e publicado no Diário da República. Eles dizem que estão «contentes que nem cucos... em cima das árvores». Quanto a nós, estamos todos de parabéns.

28 de janeiro de 2005

Testemunha do Tempo



Do alto de um frontão triangular, o busto de uma figura feminina com o barrete frígio, símbolo republicano, domina quem passa numa rua com nome fidalgo, o do Morgado de Mateus.

Certamente foi colocada naquela posição dominante, pelo dono da casa, para celebrar a vitória do ideal republicano sobre a monarquia em 1910. Imóvel, sorridente e em silêncio acabou por presenciar a história do século XX.

Desiludiu-se com os desvarios da 1ª República e os sucessivos levantamentos populares e militares. Assistiu à desastrosa participação portuguesa na 1ª Guerra Mundial; ao surto de gripe pneumónica, que matou 100 000 pessoas em 1918; à primeira travessia aérea do Atlântico Sul e à generalização do automóvel e da camionagem nos anos 20; ao surgimento do cinema, o mudo primeiro e mais tarde, já no sossego tumular da ditadura, o sonoro. «Onde vais Isidoro? Vou ao sonoro!» - era um dito popular nos anos 30. Ouviu as primeiras emissões regulares da Rádio. Atravessou o racionamento na II Guerra Mundial, porque as armas do conflito só nos tocaram lá no fim do Império, em Timor. Admirou-se com o advento da televisão e exultou com o regresso da República em Abril de 1974.

Testemunha do tempo, contempla hoje, impávida e serena, a chegada da sociedade da informação e do saber, sem se perturbar com a crise de valores orquestrada pelo cortejo mercantil neoliberal.

24 de janeiro de 2005

Passeio Alegre



Passeio Alegre

Chegaram tarde à minha vida
as palmeiras. Em Marraquexe vi uma
que Ulisses teria comparado
a Nausica, mas só
no jardim do Passeio Alegre
comecei a amá-las. São altas
como os marinheiros de Homero.
Diante do mar desafiam os ventos
vindos do norte e do sul,
do leste e do oeste,
para as dobrar pela cintura.
Invulneráveis - assim nuas.

Eugénio de Andrade

21 de janeiro de 2005

Abraçada à noite,
a névoa desce sobre a terra



Névoa

A Albano Nogueira


Abraçada à noite,
a névoa desce sobre a terra.

Imprecisamente,
como se a névoa fosse dos meus olhos,
vejo o casario e as luzes do outro lado do rio.
Mais à direita, ao longe,
são já da névoa a praia, o mar.
Ouve-se apenas o ronco do farol
- um som molhado.
Para o lado dos pinhais,
anda a bruma a fazer medo
e a pôr mais pressa nos passos de quem foge.

Não há luar, não há estrelas.
De novo olho par o rio.
Não sei se o vejo:
anda a névoa, já, com ele,
e os meus olhos não dizem o que é bruma, o que é rio.
E ela não pára,
avança ao meu encontro.

Cerca-me.
E eu tenho, só,
orvalho nas árvores do jardim,
gotas de água que se partem na alameda,
o ar húmido que me trespassa,
o molhado ronco do farol,
os cabelos encharcados
e pensamentos de névoa.

Alberto de Serpa

20 de janeiro de 2005

Portugal sem Rumo



Eis uma dissonância no curto percurso deste blogue, bem real e nada surpreendente.
Não está em causa o mérito ou o demérito do político que dá a cara ao cartaz, mas sim o que a imagem representa: a irresponsabilidade, o oportunismo - os cartazes por terra só se vêem das janelas circundantes - e o desleixo reinantes.
Estão ali sintetizados todos os problemas que nos assolam: o analfabetismo e a iliteracia, a falência das sucessivas reformas do ensino, os altos índices de sinistralidade rodoviária, a ostentação de braço dado com a corrupção, a inoperância da justiça, o despesismo estatal e até o défice controlado com malabarismos financeiros. Ah, está lá também a ingovernabilidade à espreita. Tudo, tudo varrido para debaixo do tapete.

17 de janeiro de 2005

Mosaico



Este postal constitui um desafio a quem eventualmente cair neste blogue e tiver paciência para responder: qual é a praça da baixa do Porto, recentemente renovada, que apresenta um autêntico mostruário de soluções para revestimento de pavimentos pedonais?
Em cima: lajes de granito, lajes de calcário e paralelepípedos de granito polido; em baixo: micro-cubos de granito, paralelepípedos de granito sem polimento e microcubos de calcário. Na amostra, como é evidente, não foram consideradas as guias dos passeios nem o asfalto da rodovia.

10 de janeiro de 2005

Graciosidade Forjada



A graciosidade de um elemento decorativo em ferro forjado sobrevive, com a morte anunciada, à demolição do edifício que durante dezenas de anos alojou a Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, na Boavista.
A atestar a importância que o ofício de ferreiro teve na cidade, diz-nos Magalhães Basto que aqui houve «duas ruas que se chamaram Ferrarias: a Ferraria de Baixo, (actual do Comércio do Porto) e a Ferraria de Cima (que era a continuação da do Souto e hoje se chama... dos Caldeireiros)».
Quem tiver tempo e olhar atento, poderá observar no Porto um autêntico museu vivo do ferro forjado, patente nos inúmeros trabalhos de ferreiro que vão subsistindo em grades de sacadas, peitoris, portões e varandas rendilhadas, um pouco por todo o lado.

7 de janeiro de 2005

Pôr de Sol na Foz



Alguém deitara milhões de laranjas ao mar
Dois petroleiros aguardavam impacientes a sua vez de entrarem no porto
Eu escutava aterrorizado o som das laranjeiras violadas em FM

Jorge de Sousa Braga

5 de janeiro de 2005

E La Nave Va



A igreja dos Clérigos vista de um dos janelões da torre surge como um navio visto da ponte de comando, deslocando-se lentamente, como um zepelim num sonho, sobre o casario da cidade. Ou não tivessem sido Niccolo e Federico, para além de compatriotas, sonhadores e visionários...

4 de janeiro de 2005

Um Chá nas Nuvens



Ainda no Guia de Portugal (1), o autor relata-nos um curioso episódio, uma acção de «propaganda comercial» da fábrica de moagens Invicta, ocorrido em 1917, o escalamento da Torre dos Clérigos.

«O barroquismo da torre é tal que o seu acesso, pelo exterior, embora constitua um prodígio de temeridade, se tornou um facto em 28 de Out. de 1917. Foi a proeza de dois escaladores e acrobatas, os espanhóis Puertullanos, pai e filho, trazidos ao Porto nessa data pelo técnico de propaganda comercial, Raul Caldevilla, para criar o renome de alguns produtos da fábrica de moagem Invicta. Com excepção de um lanço de oito ou dez metros, entre o 2º e o 3º piso, onde o acrobata correu risco tão iminente que a multidão estremeceu (lanço liso e que não oferece possibilidade de escalamento sem cordada) o ginasta (o filho) diante de uma enorme multidão angustiada que se apinhava no largo fronteiro e no jardim da Cordoaria, venceu a sós e a pulso as sucessivas pilastras, cornijas e volutas, atingindo no fim de meia hora a esfera. A partir do último campanário, a escalada foi feita por ambos. Alcançado o cruzeiro de ferro, os dois equilibristas, cada um no seu braço, instalaram nele uma pequena mesa sobre a qual tomaram chá com bolachas e espalharam revoadas de prospectos sobre a cidade. A descida, feita de novo pelo exterior da torre, constituiu talvez proeza ainda mais arriscada e difícil do que a ascensão. Se Nasoni tivesse assistido, julgar-se-ia ludíbrio de um sonho.
Dessa escalada se fez um dos primeiros filmes portugueses, intitulado Um Chá nas Nuvens, iniciativa do mesmo Caldevilla.»


(1) Dionísio, Santana /Guia de Portugal, Entre Douro e Minho - I. Douro Litoral / 3ª ed./ 4º vol./ Fundação Calouste Gulbenkian / sd

3 de janeiro de 2005

O Porto Espremido para Cima



Santana Dionísio, no Guia de Portugal (1), após uma pormenorizada descrição da Igreja dos Clérigos, remata assim: «Mas o extraordinário mérito do templo (e do arquitecto que o concebeu) está na prodigiosa Torre que se ergue no topo ocidental do seu corpo. É, ao mesmo tempo, o inconfundível obelisco e sinete da cidade. Razão tinha o poeta Teixeira de Pascoais ao dizer, com o seu exorbitado humorismo, sempre tão rico de sentido hiperbólico e visão exacta, que "a Torre dos Clérigos é o Porto espremido para cima".
É uma torre única no mundo. Sua arrojada altura, sua esbelteza e segurança, com os alicerces assentes em rocha viva (sic) e o cocuruto a roçar as nuvens, sua rítmica arquitectura tão ajustadamente marcada nos sucessivos lanços, a graça dos seus pináculos e coruchéus - querendo oferecer a perfeita ilusão da imponderabilidade do granito - fazem desta torre um paradigma de audácia barroca. Repare-se sobretudo no coroamento, desde a balaustrada do relógio à esfera terminal - e admire-se o virtuosismo de tanta delicadeza e audácia.»


(1) Guia de Portugal, Entre Douro e Minho - I. Douro Litoral / 3ª ed./ 4º vol./ Fundação Calouste Gulbenkian / sd

1 de janeiro de 2005

Amanhecer



O nascer de um dia radioso no vale do Douro, em Penha Longa, Marco de
Canaveses, como metáfora de esperança no ano que hoje começa.