29 de abril de 2005

A cidade do deserto



Como instalar um cenário de ficção no Cabedelo

1 - Peça um céu carregado de nuvens.
2 - Monte um estradão coberto de pó e areia.
3 - Invoque uma leve brisa de vento oeste (para animar o pó).
4 - Aguarde que o Sol se decida a espreitar.

Como fundo musical, trauteie o refrão de «O Porto aqui tão perto», de Sérgio Godinho:

Ai eu estive quase morto
no deserto
e o Porto
aqui tão perto
...

Impressões de literatas, viandantes e memorialistas # 5



«O Porto tem uma tonalidade sua e um "clima" próprio, uma "patine" que não é meridional. A cor amortecida, tamizada de alguns dos seus bairros, a sua luz muitas vezes velada pelo nevoeiro, o seu ambiente evocativo, dão-lhe expressão nostálgica de cidade nórdica, como Bruges e Amesterdão. Isso dá-lhe uma alma e uma expressão singular»

Roberto Nobre

27 de abril de 2005

22 de abril de 2005

21 de abril de 2005

Na Praça da Batalha

O topónimo Batalha terá tido origem num combate aqui travado entre os habitantes de Portucale e o mouro Abu-Amir, cognominado Almansor. Verdade ou não, o local viria a fazer jus ao nome que ostenta já em pleno século XX.



Em Fevereiro de 1919, um esquadrão da Guarda Real que passou para o lado republicano, derrotou nesta praça, sob o comando do capitão Sarmento Pimentel, a Junta Governativa de Paiva Couceiro, pondo fim à chamada Monarquia do Norte.



Uma nova revolta, muito mais sangrenta, viria a ocorrer neste lugar público em 3 de Fevereiro de 1927. Desta vez contra a Ditadura Militar, surgida na sequência do movimento de 28 de Maio de 1926 que, como se sabe, levou Salazar ao poder.

Um dos protagonistas, o tenente Diogo Martinez de Lima, evocava-a assim (1) em 1984:
« (...) as forças do Caçadores 9 ao subirem para a Batalha dividiram-se em três grupos, subindo como disse, pela 31 de Janeiro um deles e os outros por Passos Manuel e pela Rua do Loureiro. Na Batalha, os tiros do tenente provocaram mais tiroteio, houve feridos. Apareceu ainda mais povo, ouviram-se os primeiros vivas à República e o ambiente tornou-se de guerra civil latente.
(...) Eu comandava três trincheiras: a chamada "trincheira da morte", que era Santa Catarina - 31 de Janeiro, em frente à Janota; e Batalha, propriamente Santa Catarina; e outra na Rua de Santo Ildefonso, junto do Bocage, e comandei uma metralhadora pesada no meio do Largo dos Poveiros.
(...) Quando foi a carga de cavalaria, ao sermos surpreendidos, virámos todas as posições para a Batalha (...) A carga apanhou-nos completamente desprevenidos, avançaram à vontade e a minha tropa supôs inicialmente que eram nossos e deixou-os avançar. Numa fracção de segundos apercebemo-nos da verdade e, como disse, voltámos às posições e contra-atacámos.
(...) Na noite de 4 para 5 é que temos a grande batalha, com metralhadoras, artilharia - uma noite muito pior do que muitas que eu tive em plena Grande Guerra! Incidia exactamente sobre a Praça da Batalha. O fulcro da revolta era lá. De resto tínhamos mais umas forças distribuídas pela cidade. (...) Lisboa ia protelando a saída e nós ali, na Praça da Batalha. (...) Passado o tempo que entendemos bastante fomos para nova reunião de oficias (...) [e] entendemos pedir a rendição.»

(1) Evocação do Tenente Diogo Martinez de Lima, no Diário de Notícias de 29-01-1984, in «A Sala dos Espelhos» de José Viale Moutinho (ed. Lello & Irmão, Porto, 1993)

18 de abril de 2005

Portucale castrum novum



«O Porto nasceu das cinzas fumegantes a que o mouro el-Mansor havia reduzido a mesquinha população da beira-rio. E depois, quando pôde, marinhou à eminência da Pena Ventosa, fez-se cidadela, Portucale castrum novum, armou em bispado e feudo, e gastou a juventude a brigar com o senhor bispo, dono pouco amável do burgo e dos burgueses. Estes, emancipando-se afinal, apesar das censuras eclesiásticas e dos anátemas, davam por sua vez ao duro amo ruins bocados. Assim levou o Porto a sua vida entortinhada e de má medrança, desde os inícios da monarquia. O caldo negro espartano enrijou-o precocemente para a luta das imunidades do seu lar.»

João de Oliveira Ramos

13 de abril de 2005

Na Casa da Música



«Não estamos interessados em fazer um edifício público, mas em fazer um edifício para o público. De uma forma subtil, de dia o edifício absorve a cidade e a partir do entardecer projecta o seu interior para a cidade. Há sempre uma fórmula conceptual nas palavras que espoleta o edifício.

Acho que criamos as condições ideais para isso. A embaixada holandesa em Berlim, o centro estudantil IIT, em Chicago, a Biblioteca Pública de Seattle, que foram terminados no último ano. Foi muito importante para mim perceber que cada um dos edifícios começou a ser usado pelas pessoas de uma forma muito natural, sem que fosse preciso explicações da minha parte. Apesar de serem, em termos arquitectónicos, muito ambiciosos, o público não se inibiu de se apropriar deles.»

Rem Koolhaas, em entrevista ao Jornal de Notícias



Quem é Rem Koolhaas?

O Office for Metropolitan Architecture



«Isto é fantástico, parece uma catedral»

Anthony Whitworth-Jones, Director Artístico da Casa da Música



«Uma arquitectura desumanizada, indiferente à escala humana.»

Agostinho Ricca, Arq.



«Ontem, mais de meia centena de responsáveis dos media estrangeiros, guiados pelo cérebro do OMA-Office for Metropolitan Architecture, não disfarçavam a impressão: o olhar dos inquietos a tentar ganhar todos os lados, as mãos de máquinas fotográficas a absorver ângulos, muitos perdidos, muitos holandeses, espanhóis, japoneses, alemães, uma diversidade de línguas e sotaques, italiano, português, dinamarquês, todos a seguir Koolhaas no caminho.»

José Miguel Gaspar, no Jornal de Notícias



«Para os cépticos, a frase que um dia Alexandre O'Neill criou para a Coca-Cola, bem podia ser aplicada à Casa da Música. "Primeiro estranha-se, depois entranha-se."»

Mário Laginha, músico, na revista Arquitectura e Vida


«A Casa da Música não tem que pender para tabus. É uma peça de arquitectura notável, que não tem de estar irritada pela envolvente. Tem a envolvente que quer. A cidade não tem que privilegiar sítios para senhores A, B ou C»

Troufa Real, arquitecto, na revista Arquitectura e Vida



«Custa-me ver um homem [Rui Rio] que nunca gostou do projecto Casa da Música e nem o consegue entender minimamente, vir dizer que vamos abrir a CM. Graças à sua ignorância a Casa da Música abre gerida por amadores, sem credibilidade enquanto projecto cultural, sem promoção internacional (para além da arquitectónica feita por Koolhaas), com uma imagem gráfica digna de associação recreativa de bairro, ainda como comissão liquidatária da Porto 2001, sem restaurante nem loja a funcionarem, com a obra mal acabada e o edifício mal testado, etc, etc. E tudo isto sendo Rio nº 2 do PSD e presidente da Câmara e Agostinho Branquinho administrador.»

Pedro Burmester, músico, no blogue A Baixa do Porto



«Seen from a late-19th-century park across the street, the building has an almost formal elegance. Yet as you circle around it, its canted walls distort your sense of perspective, making it hard to get a sense of its dimensions. From other angles, its faceted form juts out unevenly, so that the entire structure seems oddly off balance.»

Nicolai Ourossof, no New York Times



Um edifício fértil em epítetos

Aberrante; Anguloso; Autónomo; Caleidoscópico; Calhau; Centro-de-mesa; Coeso; Criativo; Desumano; Dissonante; Distorcido; Ecléctico; Emocionante; Equilibrado; Esculpido; Excitante; Exibicionista; Fantástico; Frontal; Icónico; Incatalogável; Inovador; Insólito; Irregular; Labiríntico; Magnífico; Meteórico; Monstruoso; Musical; Opaco; Original; Paradigmático; Pastel; Poligonal; Provocador; Racional; Rasgado; Urbano; Utópico; Sequencial; Simbólico; Sólido; Talhado; Teatral; Titanic; Transparente...
_____________________________


Adenda
O slogan «primeiro entranha-se, depois estranha-se» que segundo a revista Arquitectura e Vida é atribuído por Mário Laginha a Alexandre O'Neill, é afinal de Fernando Pessoa.
A correcção, que está nos comentários, veio do teclado do João Mãos de Tesoura, a quem agradeço.

12 de abril de 2005

Desafogo



A estátua de D. António Ferreira Gomes, apelidada de «Batman» pelos residentes mais jovens da freguesia da Vitória, devido à capa esvoaçante que enverga, foi mudada para um local mais visível, na Praça de Lisboa.

O antigo Bispo do Porto bem merece que lhe honrem a memória num local desafogado.

« (...) D. António Ferreira Gomes foi um defensor determinado e consistente de um modelo de relações baseado na separação entre Igreja e Estado. Uma separação assente na delimitação das esferas de competências e no respeito mútuo, sem prejuízo dos ideais que a Igreja Católica entenda dever manifestar e dar público testemunho.
Não era fácil - e não foi fácil - a um homem da Igreja defender essa linha de independência entre a Igreja e o Estado, sobretudo num tempo em que a tendência para a instrumentalização recíproca era muito forte.
A coragem com que se bateu pelas suas convicções valeu-lhe, como se sabe, o afastamento compulsivo da sua diocese em 1959 e uma longa permanência no estrangeiro.
Durante 10 anos o regresso a Portugal foi-lhe negado, de forma arbitrária e injusta.»

11 de abril de 2005

O sonho de António Nascimento

Ter o hábito de passear pelas ruas de uma cidade e observar atentamente as fachadas dos edifícios pode revelar-se compensador. Uma boa parte da história de cada urbe está aí inscrita, como se de um livro se tratasse. É só abri-lo e lê-lo, para podermos datar um prédio, avaliar as suas funções e até a ambição e o ideal de quem o mandou construir.



O edifício que é hoje conhecido como sendo da FNAC, na Rua de Santa Catarina, foi encomendado a Marques da Silva, um dos mais prestigiados arquitectos portuenses, por António Nascimento, um próspero industrial de marcenaria com fábrica no Freixo, intitulado o maior produtor de móveis da Península Ibérica. Era intenção do industrial construir um grande armazém de decoração de interiores.

Marques da Silva, depois de ter feito uma longa viagem pela Europa para observar estabelecimentos congéneres, apresentou o primeiro estudo dos Grandes Armazéns Nascimento em 1914. O edifício, contudo, só foi inaugurado em 1927.

A sorte terá andado arredia do laborioso industrial que viu a fábrica do Freixo destruída por um incêndio em 1934. António Nascimento foi assim obrigado a vender os armazéns em 1939.



Depois dessa data e até aos anos setenta, funcionou lá o Café Palladium. Este nome manter-se-ia nas Galerias Palladium, um pronto-a-vestir que terá durado até meados dos anos oitenta. Actualmente convivem naquele espaço duas multinacionais, uma de vestuário e outra de produtos culturais.

O interior dos grandes armazéns foi entretanto descaracterizado. Restou para a memória do presente, a fachada do edifício que Marques da Silva concebeu, à medida do sonho de António Nascimento.

8 de abril de 2005

Em Serralves

no Museu de Arte Contemporânea





« (...) São objectivos primordiais do Museu a construção de uma colecção de arte contemporânea representativa da obra de artistas portugueses e estrangeiros e a apresentação de um programa de exposições temporárias, colectivas e individuais, que estabeleçam um diálogo entre os contextos artísticos nacional e internacional.

Uma das vertentes principais da sua missão é a organização de programas pedagógicos que suscitem uma relação com a comunidade local e ampliem os seus públicos interessados na arte contemporânea, assim como o aprofundamento da relação entre a arte e a natureza que as condições naturais dos espaços de Serralves tão bem propiciam.»

(extraído do Projecto Museológico)

5 de abril de 2005

4 de abril de 2005

Domingo à tarde na Ribeira



A praça da Ribeira, numa tarde arrastada e tristonha de Domingo...



... em que um anónimo e tranquilo cidadão se deixou fotografar.

1 de abril de 2005

Resistir ao vento, ao rigor da invernia



aqui tinha feito uma tentativa de ilustração de um poema de Eugénio de Andrade referente a um lugar concreto, o Passeio Alegre, com uma fotografia tirada da porta da casa do poeta. Sem pretensiosismo, vale o que vale: o prazer que me dá elaborar uma imagem, com um poema em mente.

«O Lugar da Casa» constitui mais uma referência, na poesia de Eugénio, ao local em que o poeta vive.
_____________________________

O Lugar da Casa

Uma casa que nem fosse um areal
deserto; que nem casa fosse;
só um lugar
onde o lume foi aceso, e à sua roda
se sentou a alegria; e aqueceu
as mãos; e partiu porque tinha
um destino; coisa simples
e pouca, mas destino:
crescer como árvore, resistir
ao vento, ao rigor da invernia,
e certa manhã sentir os passos
de abril
ou, quem sabe?, a floração
dos ramos, que pareciam
secos, e de novo estremecem
com o repentino canto da cotovia.

Eugénio de Andrade