26 de abril de 2006

A Festa das Artes

Aos sábados, sete vezes por ano, acontece a festa das artes na rua de Miguel Bombarda. Vinte galerias inauguram mostras simultâneas de pintura, de desenho, de escultura, de fotografia ou de cerâmica, criando um momento de grande animação naquela rua.





Na origem da festa está um movimento que começou por ser espontâneo e mais tarde veio a ser concertado. Este movimento trouxe a maioria das galerias de arte do Porto para a Miguel Bombarda, permitindo-lhes usufruir do mesmo público e dos mesmos clientes, apesar de cada galeria ter a sua temática e os seus artistas. O público e a cidade também saem a ganhar com esta concentração de exposições.


Yes I am no I'm not, de Isabel Carvalho, na Galeria Quadrado Azul


Problemas de Escala, de Miguel Palma, na Galeria Graça Brandão


Meu Corpo Terra de Alberto Carneiro na Galeria Fernando Santos

Atrás das galerias, vieram outros espaços culturais e, entretanto, surgiram novas iniciativas. O Círculo Cultural Miguel Bombarda (CCMB), entidade que congrega os galeristas, ofereceu à Câmara Municipal do Porto, um projecto de reabilitação da parte poente da rua, da autoria do arquitecto Filipe Oliveira Dias e do artista plástico Ângelo de Sousa. O projecto intervém em duas ruas contíguas, as de Miguel Bombarda e da Boa Nova, dinamizando-as de formas distintas.


Projecto Casulo II, esculturas de João Pedro Rodrigues na Galeria Símbolo.

Enquanto aguarda pacientemente, há oito anos, pela boa vontade do município para execução da obra, o CCMB continua activo, como demonstra a animada abertura de vinte e sete exposições que decorreu no Sábado passado. A próxima festa das artes é já no mês de Maio.

19 de abril de 2006

... e o Porto aqui tão perto

Uma alternativa aos grandes destinos de mini-férias



Em Lindoso, no Minho interior, é possível permanecer entre o céu e a terra, percorrer caminhos rurais e velhos trilhos de pastores, encontrar, na profundeza dos vales, riachos de águas límpidas a que as chuvas da Primavera concederam nova vida...



... cruzar açudes, contemplar moinhos que outrora produziram pão e mergulhar em piscinas naturais.



Este é um mundo envelhecido e desertificado que também está assinalado pelo espectro dos incêndios com data marcada. Aqui, bem ao lado da maior concentração de espigueiros em Portugal, produz-se, na Barragem do Alto Lindoso, o triplo da energia eléctrica do Alqueva. Para alimentar o litoral.



O Lindoso, que se notabilizou na defesa da linha de fronteira nacional...





... é hoje um paraíso perdido no silêncio dos cemitérios que nenhum tecnocrata de sucesso, no Terreiro do Paço, imaginará.

13 de abril de 2006

Um desejo chamado eléctrico



Estes simpáticos veículos começaram a circular no Porto em 1895, pela mão da Companhia Carris de Ferro do Porto. Durante a primeira metade do século passado acompanharam o crescimento da cidade ligando o centro às periferias.



Foram o meio de transporte por excelência, circulando rapidamente, para a época, numa rede com cerca de 130 km de extensão.



Penetrando profundamente na malha urbana e dela saindo desenvolto, o eléctrico ligava locais tão distantes como Santo Ovídeo à Ponte da Pedra e o Mercado de Matosinhos a Gondomar.



O ano de 1948 assinalou o começo do fim deste transporte tão popular, com a inauguração da primeira carreira de autocarros.



A agonia do eléctrico foi no entanto lenta. Foi preciso aparecerem os primeiros troleicarros - veículos silenciosos, movidos a tracção eléctrica, sem carris - no alvor dos anos sessenta, para se assistir ao desmantelar das linhas do amarelo.



Primeiro a de Gaia, através da Ponte Luís I, e mais tarde a de Gondomar. O desaparelhar das linhas não mais pararia, até à total paralisação destes atraentes veículos na cidade.





Em 2001 falou-se do regresso dos eléctricos à baixa e fez-se obra concreta: a reinstalação de linhas em ruas onde eles foram reis e senhores durante décadas. O projecto previa a ligação do funicular dos Guindais ao Carmo, uma ideia bem acolhida pela cidade.



Entretanto, com a mudança dos tempos políticos mudaram-se as vontades. As linhas do eléctrico, então instaladas, estão há anos sem utilidade.



Hoje, o que resta do carro eléctrico é uma porção da linha 1, a da marginal, que ligava o Infante a Matosinhos. Foi aí que curiosamente circularam os primeiros veículos em 1895. Percorrê-la entre o Infante e a Cantareira constitui um autêntico roteiro sentimental. Há ainda uma pequena ligação de Massarelos ao Carmo.



Quanto ao mais é nostalgia, e talvez um desejo também, o do Porto voltar a sentir os eléctricos a circular no seu centro histórico.

Agenda

A Ciência e a Cidade

A cidade, ponto de encontros e de desencontros, de partidas e de chegadas, mas também local de excelência da afirmação da cidadania e do florescimento cultural, foi-se tornando progressivamente no habitat da espécie humana, à medida que se caminha para o futuro. Nela ou nos seus arredores vive metade da população do mundo.

A ciência acompanhou esta evolução recente através da criação de novas tecnologias que facilitam a concentração de pessoas e de recursos, que criam e geram novos fluxos de ideias e de produtos. As cidades do futuro estão profundamente dependentes do esforço científico e da capacidade de o aplicar a condições de vida mais justas e solidárias: a ciência do século XXI será determinante para o pleno exercício da cidadania.

Deste modo, tudo o que move a cidade envolve a ciência e questiona o conhecimento científico. Mas as cidades não são todas iguais!
A abertura aos outros e ao mundo é a primeira condição da sustentabilidade. Esta atitude não escolhe capacidades - dos mais jovens aos menos jovens, todos são indispensáveis no processo de construção da Cidade Nova.


É com este mote que a Fundação Gulbenkian está a realizar um ciclo de debates intitulado A Ciência e a Cidade. O próximo é já a 19 de Abril, subordinado ao tema A Mobilidade. Seguir-se-ão até ao final do ano, O Ócio, O Mercado, O Génio, A Alimentação, O Plano e O Risco.

Os comentadores, moderados por José Vítor Malheiros, virão de áreas tão diversificadas como a engenharia, a arquitectura, a gestão, a sociologia, a cozinha, a fotografia, o design, a filosofia, os ralis, a informática, a economia e a farmácia, compondo um cenário promissor.

5 de abril de 2006

Painéis do Palácio Atlântico

A caixa de comentários está aberta a quem quiser contribuir para a interpretação dos painéis decorativos, em mosaicos cromados, do pórtico do Palácio Atlântico, na Praça D. João I, da autoria de Jorge Barradas.














Agenda

O corta!
festival internacional de curtas metragens do porto 2006

O corta! festival internacional de curtas metragens do porto 2006 define-se como o pulsar de algo que cresce e se multiplica. De cada edição anterior surgem novas ramificações que se desenvolvem e tocam na ideia seguinte.
É assim que o corta! se prepara para a sua quarta explosão de criatividade, entre 18 e 20 de Maio no Auditório da Biblioteca Almeida Garrett.



O corta! é o único projecto de festival para o formato da curta metragem com sede no Porto. A sua integração na vida cultural da cidade ultrapassa claramente a mera apresentação de uma competição de filmes. Nos últimos dois anos foram muitas as escolas que participaram em eventos do corta! e muitos os alunos de audiovisuais, música, cenografia e representação que colaboraram e trabalharam com o festival.

Este ano haverá uma retrospectiva de David Cangardel, um dos realizadores favoritos do festival, uma mostra de curtas metragens da Lituânia, a exibição de filmes de escolas, workshops, uma exposição de instalações multisuporte interactivas, a produção de uma curta metragem num ambiente controlado - ao vivo e com acesso directo do público - e muito mais... O programa está aqui e o festival é gratuito.



Os Dias da Criação

A Incomunidade e a Casa da Eira Longa organizam Os Dias da Criação, a 13 e 14 de Maio de 2006 em Vilar, Boticas, Trás-os-Montes. A intenção é promover o conhecimento não telesabido, não intermediado por outdoors e outros folhetos que só é possível no estar ao vivo. Os organizadores apelam à presença diversificada de criadores galegos e transmontanos, nas distintas árias da criação: audiovisual, escrita, performance, música, pintura, fotografia, pensamento, artesanato e escultura. Apesar de se tratar de um encontro de âmbito regional, garantem que não haverá qualquer segregação relativamente à presença de criadores que fisicamente tenham nascido noutras paragens.