24 de julho de 2007

Na poeira da memória

Na Rua de Passos Manuel há um local que desperta a atenção dos transeuntes mais atentos. Param e espreitam, surpreendidos perante um antigo armazém de tecidos que continua em plena laboração. Da estrutura do edifício, construído em 1860, aos objectos que o povoam, quase tudo ali remete para o passado. O soalho de tábua trincada, as enormes bancas de trabalho, o postigo e as divisórias em madeira do escritório, o velho cofre, uma prensa e até uma antiga balança de dois pratos e travessão, com os pesos alinhados. Numa das paredes interiores há ainda uma marca que indica ter ali funcionado uma leiloeira.



A fundação do actual armazém remonta a 1921. O Porto de então estava em pleno crescimento, constituindo um pólo de atracção em toda a região norte do país.



José Gonçalves, um dos fundadores, começou a trabalhar em Guimarães, aos 12 anos de idade. Quando chega ao Porto, para exercer a profissão de viajante, é já um jovem adulto cheio de esperança e vontade de singrar. Passa a visitar os clientes do interior do país, munido de uma mala com amostras de tecidos, e regressa à casa mãe com encomendas.



Aqui conheceu Serafim Soares Monteiro, chefe de armazém com comprovada experiência mercantil, adquirida desde 1905, ano em que principiara a trabalhar numa firma do Largo dos Lóios. Ligados por uma sólida amizade e auxiliados financeiramente por João Rodrigues Loureiro – um industrial de Valença do Minho, conterrâneo e protector de Gonçalves, que o tinha levado para Guimarães em 1906 como marçano – fundam o armazém de lanifícios Gonçalves, Monteiro & Cia., Lda. O negócio prospera rapidamente na baixa fervilhante de actividade. Compram tecidos por grosso a vinte fábricas portuguesas e quatro inglesas, vendendo depois para todo o Portugal e colónias.



Com a morte dos fundadores a firma passa para os herdeiros, que nos anos 70 compram o prédio e avançam com um projecto de modernização das instalações. Esse desígnio, que alteraria por completo o que lá encontramos, viria a ficar pelo caminho devido à instabilidade provocada pela Revolução de Abril e ao posterior desaparecimento prematuro de José Milhão, o sócio mentor da remodelação.

José Augusto Gonçalves, um dos donos actuais e homónimo do fundador, afirma que há vinte anos se contavam pelas dezenas os armazéns deste ramo no Porto. Hoje subsistem apenas uns três ou quatro.



Mostra-me uma peça de surrobeco, um pano castanho e grosso caído em desuso juntamente com o burel, como exemplo dos velhos tecidos que continua a vender, para grupos de teatro e ranchos folclóricos, a par das actuais e excelentes casimiras importadas de Itália e dos poliésteres asiáticos.



Não se queixando do negócio acrescenta que, quando aparecer um comprador para o edifício, fechará as portas e irá para casa, dissipando em pó este interessante episódio da memória da cidade.

9 de julho de 2007

Lamentável



Não é novidade, mas constituiu uma desagradável surpresa quando, há dias, dei pela falta daquela figura aprumada, de farto bigode e vestida a rigor, que constituía o símbolo do Café Embaixador. Estava lá desde 1997, aquando da remodelação do café. Tinha sido feita por encomenda, à escala natural, em resina sintética sobre uma estrutura de aço que se encontrava soldada à pala de betão que protege a entrada do Embaixador. Foi roubada durante uma das noites de Dezembro passado. Tanto quanto sei não será substituída.

Será este um blogue que faz pensar?



Pela minha parte não creio que haja por aqui grandes motivos de reflexão, nem é esse o meu objectivo. Trata-se, antes, de um espaço onde partilho uma visão pessoal da região onde nasci e vivo, que se tem revelado extremamente gratificante pelo retorno que tem tido.
É dentro desse conceito de retorno que entendo a atribuição do Thinking Blogger Award, pelos autores de O Século Prodigioso, da Oitava Edição, do (Art)snack, do Sem Demora, do Kimboio, da Menina Marota e do Nothingandall, ao fotógrafo e escriba da Cidade Surpreendente. A todos o meu obrigado e... por favor, perdoem-me a quebra da cadeia por não multiplicar estas hiperligações por cinco.

3 de julho de 2007

Exemplar



A parte alta da moderna Rua de Sá da Bandeira está belíssima. Moderna porque a arquitectura do betão, utilitária e cosmopolita dos anos 50 do século passado, marca a diferença da baixa granítica, que lhe é anterior. Belíssima porque a dupla de arquitectos Alexandre Alves Costa e Sérgio Fernandez, em 2001, manteve a calçada de calcário e basalto, reflectora de luz, e resolveu arborizá-la, permitindo que, neste início de Verão, colhamos os frutos de tão acertada decisão.