26 de setembro de 2009

Concorda com a construção de edifícios nos jardins do Palácio de Cristal?

«Concorda com a construção de edifícios nos jardins do Palácio de Cristal para um centro de congressos?» é a pergunta que um grupo de cidadãos, organizados no Movimento em Defesa dos Jardins do Palácio de Cristal, propõe para um referendo, em que a população da cidade deverá pronunciar-se sobre a intenção da Câmara Municipal do Porto avançar, ou não, com a iniciativa em causa.

Esta acção, que configura um acto de cidadania perfeitamente legítimo, e até saudável, foi considerada, num folheto profusamente distribuído pela C.M.P. porta a porta, como uma tentativa de «desinformar a opinião pública».

Em causa está o desaparecimento do lago existente nos jardins, que se prevê seja substituído por um espelho de água, e a «remoção» (o eufemismo é camarário) de «apenas cinco árvores», segundo a C.M.P.

De acordo com a Associação de Defesa do Ambiente Campo Aberto, que se debruçou sobre o projecto do centro de congressos, a obra implicará o abate de treze árvores adultas e o risco de sobrevivência para outras dezassete. A Campo Aberto é da opinião que «nada justifica a construção de um edifício para congressos com cerca de 2500 m2 num dos mais extraordinários jardins de que a cidade dispõe», apelando ao bom senso da Câmara do Porto, para que altere o projecto e seja coerente com a política de sustentabilidade a que recentemente se comprometeu.

A folha para recolha de assinaturas, que por imperativo legal está aberta apenas a cidadãos recenseados no Porto, está disponível aqui.

25 de setembro de 2009

Prenúncio



Como dois míticos amantes
o Outono e a Cidade enfrentam-se
no esplendor das primeiras manhãs,
com as folhas crestadas voando
do alto. O frio anunciado esconde-se
ainda no leve arrefecimento das
varandas e ardores súbitos diluem
as nuvens, no princípio das tardes;
breves estios destinados
à intransitiva beleza do malogro,
ao triunfo matricial da sombra.

Inês Lourenço

11 de setembro de 2009

O imaginário botânico do Mosteiro de Tibães em fotografia

Anima Vegetalis, Imaginário Botânico do Mosteiro de Tibães é o título da exposição de fotografia de Paulo Gaspar Ferreira a inaugurar amanhã pelas 18h00, em Tibães. A mostra que, segundo o autor, cativa património natural criando património artístico para o transformar em património sensorial, é composta por setenta imagens, que constarão de um livro de folhas soltas, acompanhadas por textos da autoria de Theodoro d'Almeida, um dos mais importantes iluministas portugueses. Os pequenos excertos, retirados do ambiente pedagogo da sua "Recreação Filosófica" de 1786, aproximam-se de uma linguagem da quase poesia e das fotografias, que são essencialmente feitas com "peças" encontradas no chão de Tibães. A abertura da exposição será precedida, às 15h30, por uma visita guiada ao mosteiro e à cerca monástica de Tibães.

4 de setembro de 2009

Homenagem a Fernando Lanhas

Como forma de agradecimento pela obra e pensamento de Fernando Lanhas, decidiu o Clube Literário do Porto homenagear mais um grande artista desta cidade, um dos maiores nomes da arte portuguesa do século XX.
Nascido no Porto, em 1923, é um homem de múltiplos interesses, arquitecto de formação, pintor, desenhador, poeta, arqueólogo, astrónomo, etnólogo, paleontólogo, coleccionador, etc.
A sua pintura introduziu o abstraccionismo em Portugal a partir de finais dos anos 40, tendo desenvolvido ao longo da sua carreira, uma concepção original da pintura.
Muito mais se poderia dizer sobre Fernando Lanhas, mas prefere o Clube Literário do Porto, convidar o público em geral a visitar este espaço e participar no mês de actividades que pretende organizar em sua homenagem, em simultâneo com a mostra que fará, alusiva à sua obra literária e ao seu pensamento.
A exposição inaugura a 5 de Setembro de 2009 pelas 16h00 e poderá ser visitada de Segunda a Domingo, das 09h00 à 01h00 da manhã (entrada livre).

Clube Literário do Porto

3 de setembro de 2009

Duas dicas

UMA para um filminho feito por quem gosta de ver passar comboios, intitulado Somar recursos mantendo soluções.
A OUTRA, para uma visita à estação ferroviária de Barca d'Alva (ou ao que dela resta), nos confins da sempiterna e resistente (às machadadas do poder central) Linha do Douro, através do imaginário concreto de Jorge Rego, o autor dos Caminhos de Ferro Vale da Fumaça.

2 de setembro de 2009

Uma ponte tributária das pontes metálicas do Porto

A escassos quilómetros do local onde o rio Douro começa a desenhar a fronteira entre Portugal e Espanha, existe uma ponte em tudo parecida com as pontes metálicas do Porto.



A Ponte de Requejo - nome do político que impulsionou a construção da estrada onde está inserida - liga as aldeias de Villadepera, em Sayago, com Pino del Oro, em Aliste, na região de Zamora. Foi projectada por José Eugenio Ribera (1864-1936), um nome grande da engenharia espanhola que viveu na juventude em Portugal, numa altura em que o caminho-de-ferro conheceu um grande desenvolvimento no norte do país.

Aqui, Ribera terá conhecido as pontes do Porto. A placa informativa junto da ponte assim o sugere, ao informar-nos que aquela obra de engenharia foi inspirada na «arquitectura de Eiffel», referindo-se, provavelmente, à Ponte Maria Pia que, como sabemos, foi projectada por Théophile Seyrig (1843-1923) e construída pela empresa que este engenheiro fundou, em 1869, com Gustave Eiffel. Seyrig, que continua a ser referido erradamente como discípulo de Eiffel, foi também o projectista da Ponte Luís I, construída pela empresa belga Société de Willebroeck.



Entre a apresentação do projecto da Ponte de Requejo, em 1897, e o início da sua construção decorreram cinco anos. Aos primeiros concursos públicos para a execução da ponte não apareceu nenhuma empresa, devido às dificuldades que o projecto apresentava. Finalmente, em 1902, a obra arrancava para estar concluída apenas em 1914, ano da sua inauguração.

Apesar de ser mais pequena do que as congéneres do Porto, a ponte é uma construção ousada, notável com os seus 120 metros de vão, 190 metros de comprimento do tabuleiro e o peso de 450 toneladas de aço. Quando foi inaugurada estava 90 metros acima do nível da água do Douro. Na época foi considerada como um marco da engenharia espanhola da construção de pontes. Hoje, devido à falta de manutenção, a sua estrutura apresenta algumas fragilidades, o que não tem impedido que continue a cumprir a sua função de facilitar a travessia do Douro na região mais pobre e deprimida de Espanha.