24 de outubro de 2009

Porto



Porto

Portu
gal de cinza e pedra, crista
de rio e mar. Canto (de pe
dra, ainda) escuro (escura).
garra de
semânticas asas. Porto
e navio de âncoras
erguidas,
soterradas.

Porto 2

Coração que do rio
o sangue e a música retira.
gaivota de pedra,
navio
e lira.

Albano Martins

14 de outubro de 2009

O Arco de Sant'Ana

Almeida Garrett lamenta assim, n' O Arco de Sant’Ana, a demolição, em 1821, daquele monumento que conhecera na meninice:

Caíste tu, ó arco de Sant’Ana, como, em nossos tristes e minguados dias, vai caindo quanto há nobre e antigo às mãos de inovadores plebeus, para quem nobiliarquias são quimeras, e os veneráveis caracteres heráldicos do rei-de-armas-Portugal língua morta e esquecida que nossa ignorância despreza, hieroglíficos da terra dos Faraós antes de descoberta a inscrição de Damieta! – Assentaram os miseráveis reformadores que uma pouca de luz mais e uma pouca de imundície menos, em rua já de si tão escura e mal enxuta, era preferível à conservação daquele monumento em todos os sentidos respeitável.



O arco ficava numa das portas da muralha românica, na actual Rua de Santana. Tinha ao centro, na face voltada para a Igreja dos Grilos, um oratório coberto por uma vidraça onde se venerava uma imagem da Santa. O acesso ao oratório era feito através de uma porta aberta na parede da muralha que servia de encontro ao arco. É nessa entrada, hoje convertida em nicho, que a população da Sé venera uma imagem de Santa Ana com S. Joaquim, dando continuidade a um culto que remonta, pelo menos, ao século XVI.

8 de outubro de 2009

Conferências do Passeio Alegre

Estas conferências - que dão origem aos cadernos do mesmo nome - são intervenções, lidas ou não, diversas no tema e na maneira, em que assunto, ou orador, ou público, ou sítio da sessão, têm um fio de ligação, ainda que ténue, com a bela e milenar terra da Foz do Douro.
Repor a antiga e nobre tradição portuense de levar as elites intelectuais e sociais a falar aos cidadãos agrupados em torno das colectividades locais ou em lugares públicos é um dos objectivos destas conferências e, por extensão, dos cadernos
.

A próxima conferência, que ficará na origem do quinto volume dos Cadernos do Passeio Alegre, com o título Uma Carta (inédita) do Japão de Wenceslau de Moraes, será proferida por Jorge de Oliveira e Sousa e terá lugar amanhã, Sexta-Feira 9, às 18h30, no Hotel Boa Vista, na Esplanada do Castelo, na Foz do Douro, com entrada livre.

Das conferências anteriores estão publicados pelo grupo cultural O Progresso da Foz, os cadernos: Centenário do Gabiru, de Pedro Baptista; António Nobre - estudo para um auto-retrato, de Mário Cláudio; Juro que Sou Suspeito - O Processo de Adultério de Camilo Castelo Branco, de António Rebordão Navarro e Realismo e modernidade na poesia de Cesário Verde, de Albano Martins.

Aproveitando a oportunidade da presença do poeta Jorge de Oliveira e Sousa (autor dos livros Paideia, Iceberg e Equidistância), a escultora Maria Leal da Costa, apresentará uma obra sua inspirada nos temas de Iceberg.

3 de outubro de 2009

Se esta rua fosse minha





Os Gaiteiros de Sendim ...



... um tapete de flores ...



... passeios de burro ...



... "matrapilhos" ...



... locais insólitos de descanso ...



... tudo isto e muito mais, hoje, na 3ª edição do festival Se Esta Rua Fosse Minha.