31 de dezembro de 2009

Um rio irrequieto

O Douro aparentemente calmo na foz - a escassos dois metros de transpor as margens - e visivelmente sobressaltado em Crestuma, na última das dez grandes barragens que o sustêm depois de entrar em território nacional.





28 de dezembro de 2009

Ópera no mercado

A iniciativa de levar a ópera ao Mercado Central de Valência partiu de um grupo empenhado na divulgação do bel canto. Os excertos da Traviata de Verdi aparecem, aqui, integrados, pela encenação, na vida do mercado, o que acentua a diferença entre este e os dois grandes mercados do Porto.
O do Bolhão, que o presumido autarca portuense mantém há dois anos como ruína depois de ter visto gorada a tentativa de o vender como sucata; e o do Bom Sucesso, o excelente exemplar da arquitectura modernista em Portugal, condenado à “remodelação”, figura de estilo que designa a demolição e construção de mais um centro comercial e um hotel no seu lugar.
Pobre e mal amada cidade esta que vê assim seus valores irremediavelmente delapidados por gente que não os reconhece.

21 de dezembro de 2009

Dezembro no Porto - III




Animação...


... com muita gente nas ruas.


A Tuna de Medicina,


o Rancho de Campanhã,


e o Coro de Biomédicas.


Artesanato na Praça D. João I,


a montra de uma mercearia tradicional e...


... o eterno bacalhau.

17 de dezembro de 2009

Nos cinco anos d'A Cidade Surpreendente

Foi a 17 de Dezembro de 2004 que surgiu a primeira entrada deste blogue, uma pequena reflexão a propósito de uma fotografia aérea tirada por mim em 1997. A Cidade Surpreendente apareceu assim, sem anúncio de intenções aos eventuais visitantes deste espaço porque tinha uma existência anterior, na plataforma Fotolog, onde esteve entre Junho de 2003 e Maio de 2005.



Nessa altura, em 2003, existia apenas um sítio organizado, na Internet, com fotografias do Porto, intitulado O Porto em Fotografia, de António Amen.
A Cidade Surpreendente foi, então, o segundo sítio na rede destinado à publicação regular de fotografias da nossa cidade. Anunciava-se como um diário dedicado “à fotografia e à veneração da sua essência - a contemplação de imagens estáticas” que considerava ser “um prazer perdido num ambiente poluído por apelos ao movimento”.

O terceiro sítio com o mesmo objectivo foi o Baixa do Porto, um álbum fotográfico aberto à participação dos visitantes, criado por José Guimarães em Julho de 2003. Este fotologue não deverá ser confundido com A Baixa do Porto, o popular blogue iniciado por Tiago Azevedo Fernandes em Abril de 2004.

A migração da Cidade Surpreendente para o Blogger foi pautada pela perda de visibilidade. No entanto, com a passagem do tempo, começou a haver algum retorno, comentários e e-mails de visitantes que se manifestavam positivamente sobre o blogue. A primeira grande referência, que fez com que uma autêntica multidão passasse por aqui, veio do Blasfémias, a que se seguiu outra onda de visitantes, não menor, vinda do Abrupto.

O blogue diversificou-se com a publicação de pequenas reportagens e crónicas.
Em A tradição ainda é o que era, aborda-se um antigo fabricante de perucas que continua a trabalhar na Rua do Bonjardim; Na poeira da memória descreve um armazém tradicional de tecidos, entretanto desaparecido; Do moinho e da vida mostra-nos um quadro rural aqui bem perto do Porto; Uma imagem para uma nota do quotidiano portuense relata-nos um fait-divers da urbe.

Outros exemplos são as abordagens a algumas livrarias da cidade, como a Latina e a Lello e a adaptação do filme Arquitectura do Rabelo, onde se mostra a última equipa de mestres a construir um rabelo pelo processo tradicional, numa praia fluvial.

A par da Cidade Surpreendente, que não revelava a decadência do centro do Porto, surgiu, em 2006, como factor de equilíbrio, a Outra Face da Cidade Surpreendente que, mais tarde, mudaria de nome para A Cidade Deprimente. Ali mostra-se o triste estado a que nós cidadãos, mas sobretudo o regime político vigente deixou chegar e mantém, com paninhos quentes, o centro do Porto - uma enorme e extraordinária ruína, fenómeno que, como é sabido, não é apenas portuense.

Creio que ao longo destes cinco anos A Cidade Surpreendente contribuiu para o aparecimento de outros blogues temáticos sobre cidades e que mudou, na internet, a maneira de olhar - e sobretudo de fotografar - o Porto. Fora da rede foi referenciado sobretudo pela imprensa mas também pela rádio e pela televisão.

A todos os que continuam a passar por aqui, o meus parabéns. O blogue, a um ritmo muito próprio, está para lavar e durar.

15 de dezembro de 2009

Praça dos Leões



Das bocas dos leões pode jorrar a água,
das suas pestanas pode tombar o rímel,
dos seus dedos anéis sobre os cinzeiros,
da minha boca a língua
a comer-lhe o baton,
dos meus braços as mãos, circunscrevendo-a.

x

Estamos encerrados numa praça
cercada de armazéns, igrejas, austeros edifícios,
comércios de remotíssimos parentes
de trigo enchendo os navios para Cuba,
arruinando-se.

x

Sucede isto no Porto,
uma cidade onde os destinos pesam muito
e as quimeras de bronze só mitigam
a sede secular de eternas pombas.

x

Nunca, nesse lugar, as bocas se encontraram.

António Rebordão Navarro

11 de dezembro de 2009

O 22







Sobre a história dos eléctricos do Porto consulte a interessante e completa página de Ernst Kers, Os Eléctricos do Porto, e também a do Museu do Carro Eléctrico.