30 de abril de 2010

A cidade vista das janelas do 22

II - da Batalha ao Carmo

Há dias saímos do Carmo e descemos os Clérigos até à Praça da Liberdade, no carro eléctrico da linha 22. Subimos depois a colina de 31 de Janeiro até ao planalto onde assenta a Igreja de Santo Ildefonso, na Praça da Batalha.
Hoje iremos no 22 por Santa Catarina, descendo Passos Manuel até ao vale onde está a Avenida dos Aliados; daí subiremos pela rua de Ceuta até outra elevação de terreno, onde têm lugar a igreja do Carmo, a Cordoaria e, num extremo, a igreja dos Clérigos que pede meças, do alto da sua colina, à igreja fronteira de Santo Ildefonso. Completaremos, desta forma, o percurso daquela linha, regressando ao ponto de partida por outro caminho. Boa viagem.


Rua de Augusto Rosa


Rua de Alexandre Herculano


Praça da Batalha


Praça da Batalha


Rua de Ranta Catarina


Ruas de Santa Catarina e de Passos Manuel


Rua de Passos Manuel


Rua de Sá da Bandeira


Praça de D. João I


Rua do Dr. Magalhães Lemos


Avenida dos Aliados


Rua de Elísio de Melo


Praça Filipa de Lencastre


Rua da Picaria


Rua de Ceuta


Rua de José Falcão


Praça de Guilherme Gomes Fernandes


Praça de Guilherme Gomes Fernandes


Carmo


Carmo


Carmo


Carmo

27 de abril de 2010

A cidade vista das janelas do 22

I - Do Carmo à Batalha


Carmo


Cordoaria


Cordoaria


Cordoaria


Rua da Assunção


Rua de Nicolau Nasoni


Rua dos Clérigos


Rua dos Clérigos


Largo dos Lóios


Passeio das Cardosas


Praça de Almeida Garrett


Rua 31 de Janeiro


Rua 31 de Janeiro


Rua 31 de Janeiro


Praça da Batalha


Praça da Batalha


Praça da Batalha


Rua de Augusto Rosa


Rua do Cativo


Rua de Augusto Rosa

23 de abril de 2010

A fisionomia de Nicolau Nasoni



Há um retrato a óleo na entrada da torre dos Clérigos que nos é apresentado como sendo de Nicolau Nasoni, o arquitecto toscano que veio de Malta para o Porto em 1725, com o encargo de pintar o interior da Sé do Porto e por cá ficou, marcando de forma singular, com a sua arte, a fisionomia da cidade.

Sabe-se muito sobre ele, com quem casou, quantos filhos teve, onde viveu e trabalhou. Também se sabe que não se fez cobrar pelo projecto da igreja e da torre prodigiosa, e que acompanhou a sua construção, dedicadamente, ao longo de décadas, tendo como contrapartida, apenas, a entrada para a Irmandade dos Clérigos Pobres.
Morreu sem haveres no ano de 1773. Sabe-se também que, a seu pedido, está sepultado na igreja dos Clérigos, mas é corrente não saber-se onde, apesar de um autor afirmar estar o túmulo de Nasoni na pequena cripta da igreja, junto de outro onde repousa um cardeal.

Quanto à fisionomia do arquitecto também persiste a incógnita. Se, para alguns autores, o quadro que revelaria Nasoni terá desaparecido, para outros a figura ali representada não é a dele por exibir anacronismos no vestuário. Para outros ainda, trata-se sim de Nicolau Nasoni, mas num retrato póstumo.

20 de abril de 2010

A cidade vista da torre dos Clérigos - V

clique para ampliar




























A sombra da torre esconde parte do pavimento da estreita e íngreme Rua da Assunção, enquanto o sol da tarde ilumina as fachadas verticais do casario.
Este correr de casas acompanha o traçado da muralha fernandina de que existem vestígios na última casa do lado poente, na Cordoaria, onde está instalado um pequeno café. A construção da igreja e da prodigiosa torre, fora da muralha, começada em 1732, é um indício de que a cerca medieval se tinha tornado pequena para conter o desenvolvimento da cidade de então.

14 de abril de 2010

A cidade vista da torre dos Clérigos - IV

clique para ampliar
Olhando agora para sul observamos a Sé, multissecular e dominante, e o Paço Episcopal, majestoso e equilibrado. A meio da encosta granítica que sustém a catedral e a sede do bispado do Porto, à direita, está a Igreja do Colégio da Companhia de Jesus, ou de S. Lourenço, ou dos Grilos, nome que lhe calhou após a expulsão dos jesuítas pelo injusto e cruel Marquês de Pombal, governante que deixou no Porto uma marca de morte, de dor e de sangue.

Do outro lado do rio, no alto da escarpa fronteira, vemos o Mosteiro da Serra do Pilar com a característica igreja de planta circular. Ao fundo os edifícios que cresceram apressadamente à volta do eixo da Avenida da República, em Gaia.

Regressando à margem direita, olhemos o casario ao redor da Sé cujo traçado, contido outrora pela cerca primitiva, constitui o núcleo mais antigo do Porto. Naquele labirinto de ruelas, escadas, becos e pátios estão topónimos carregados de história, como Escura, Bainharia, São Sebastião, Pena Ventosa, Aldas, Pelames, Souto e Santana. O correr de fachadas em baixo pertence à Rua de Mouzinho da Silveira.

Como última observação, é notável a integração, neste conjunto, da belíssima torre da Casa da Câmara, reconstruída em 1995 junto à Sé, fruto da mestria do arquitecto Fernando Távora.

12 de abril de 2010

A cidade vista da torre dos Clérigos - III

clique para aumentar
Depois de termos observado a cidade nas direcções nordeste e noroeste, olhamos agora para sudoeste, com o sol do meio da tarde pela frente. O que a foto tem de mais interessante, e pouco comum, é a vista conjunta do Douro - a alguns quilómetros da foz - e do Atlântico. O rio aparece-nos aqui diante de Monchique e do cais do Cavaco. No primeiro plano está o telhado do Palácio da Justiça e à direita, ao fundo, a Ponte da Arrábida e um dos molhes do Douro. Em frente, na penumbra, estão terras do Candal,em Gaia.

9 de abril de 2010

A cidade vista da torre dos Clérigos - II

clique para aumentar














Diz-nos Sant’Anna Dionísio que a primeira escola superior, de relativo nível científico, criada no Porto nasceu de uma iniciativa da burguesia portuense. Em 1761, os negociantes mais representativos do velho burgo, dirigiram uma petição a D. José I requerendo autorização para construir e manter por sua conta duas fragatas de guerra, destinadas a proteger e a comboiar os seus navios de comércio que saíssem ou demandassem a barra do Douro. Um decreto real determinou a criação de uma “aula” designada Real Escola Náutica, que está na origem da Real Academia da Marinha e Comércio, para quem o edifício acima começou a ser construído em 1803, antes da primeira invasão francesa. A Real Academia foi mais tarde transformada em Academia Politécnica e, em 1911, na Faculdade de Ciências. Hoje o edifício alberga a reitoria da Universidade do Porto.

Esta citação, de verdadeiro poder e autonomia da velha urbe, não é despicienda ao observar o Porto numa altura em que a cidade atravessa, talvez, um dos períodos mais críticos da sua história milenar, confrontada com a pobreza, a desertificação, a falta de iniciativa, a ruína do centro histórico e da baixa, e a perda de poder face à inépcia dos seus supostos representantes políticos na capital, deslumbrados com as sinecuras do eldorado centralista.

Voltando à fotografia, no centro está a Boavista com o obelisco do Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular, que durante decénios constituiu o ponto mais alto do local, difícil de distinguir no meio dos edifícios que entretanto por lá cresceram. No último plano, à esquerda, vislumbra-se no horizonte o azul de algo que continua a moldar a urbe, o oceano Atlântico.

6 de abril de 2010

A cidade vista da Torre dos Clérigos - I

clique para aumentar

















No primeiro plano, paralela à base da imagem, está a Rua das Carmelitas; a oblíqua é a rua de Cândido dos Reis. Ao fundo, no horizonte, da esquerda para a direita (se clicar na imagem, ampliando-a, verá melhor), estão as torres da Igreja da Lapa e, minúscula, a da Igreja Paroquial da Senhora da Conceição. Mais adiante vêem-se os plátanos da Praça do Marquês de Pombal; à frente destes está o edifício do Jornal de Notícias seguido da torre do edifício O Lar Familiar, em Gonçalo Cristóvão, e do Hotel D. Henrique. O prédio amarelo é o da Cooperativa dos Pedreiros, na Rua da Alegria. Mais à direita vê-se o arvoredo do Parque de S. Roque. Por último, erguendo-se sobre o perfil das serranias de Valongo está o edifício de um hotel, no Campo 24 de Agosto.