27 de setembro de 2011

O Porto há 30 anos - VII


A última foto desta série: vista parcial da baixa para ocidente.
Clique na imagem para a ver maior.

23 de setembro de 2011

O Porto há 30 anos - VI

Duas formas geométricas dominam esta imagem: a rotunda da Boavista e o enorme quadrado do Cemitério de Agramonte, construído em 1855. Entre outros pormenores observamos, à direita, a estação de recolha de carros eléctricos, edificada em 1874 e demolida em 1999, para dar lugar à Casa da Música, e o terreno livre onde foi construído o primeiro centro comercial que surgiu no Bom Sucesso. A fotografia está ainda marcada pelo sol poente invernoso.
Clique na imagem para a ver maior.

22 de setembro de 2011

O Porto há 30 anos - V

Vista parcial da baixa da cidade para oriente, com Gondomar ao fundo.
Clique na imagem para a ver maior.

21 de setembro de 2011

Júlio Resende (1917-2011)

Há uma brutalidade nesta pintura, digamo-lo sem qualquer hesitação; brutalidade que consiste em obrigar-nos sem trégua a pensar que o homem é o mais mortal dos animais, que o seu corpo não cessa de ser corroído pela lepra do tempo, que o esplendor da sua juventude se converte com facilidade na mais grotesca paródia de si próprio, que tudo nele está inexoravelmente votado à morte.

Eugénio de Andrade sobre o painel Ribeira Negra, a revisitar aqui.

20 de setembro de 2011

O Porto há 30 anos - IV

A debandada da população do Porto para os concelhos limítrofes já tinha começado quando esta imagem foi captada, entre 1981 e 1985, mas Gaia não tinha ainda a densidade de construção que tem hoje, sobretudo ao longo da Avenida da República e na encosta a sul das Devesas, dois dos locais mais densamente povoados daquela cidade que podem ser observados na fotografia.


Do lado de cá do Douro vêem-se duas ruas que rasgam o casario na vertical da imagem: Santa Catarina, à esquerda, e Sá da Bandeira, quase ao centro. Em baixo, na horizontal está a Rua de Gonçalo Cristóvão.
Clique na imagem para a ver maior.

16 de setembro de 2011

O Porto há 30 anos - III

Há duas cidades nesta imagem do Porto, a das ruas apertadas no interior da Muralha Fernandina (em baixo e à esquerda) e outra, de malha mais larga (acima e à direita) que surgiu depois do desaparecimento do muro medieval que cingiu o Porto durante cinco séculos. Pode até traçar-se o percurso da muralha, que era paralelo à actual rua dos Clérigos, e, no Olival – na Cordoaria –, flectia à esquerda para descer até ao rio.


A cidade de dentro da cerca parece não ter tido alterações nos últimos 30 anos; já a outra mostra-nos o Jardim da Cordoaria antes da infeliz intervenção de 2001 - que o transformou num espaço arbustivo inóspito - e a Praça de Gomes Teixeira, a dos Leões, antes de ter passado por um processo idêntico. Na Praça de Lisboa está um mercado improvisado que sucedeu ao Mercado do Anjo, desaparecido em 1952. Próximo da cúpula do então Pavilhão dos Desportos, que foi rebaptizado com o nome da atleta Rosa Mota, está ainda o conjunto de antigos edifícios que albergou o Centro de Instrução e Condução Auto, do Exército e, mais tarde, a Reitoria da Universidade do Porto. Naquele espaço surgiram outras construções que acolhem hoje alguns serviços do Centro Hospitalar do Porto.
Clique na imagem para a ver maior

15 de setembro de 2011

O Porto há 30 anos - II

É o Coliseu, no centro com a grande cúpula, que marca esta imagem. Vista do ar, a imponente sala de espectáculos mostra a sua real dimensão ao aparecer encaixada, como num quebra-cabeças, nos edifícios envolventes que nos aparecem minúsculos. Parece que tudo se ajustou para que coubesse ali; no entanto, ele está lá apenas desde 1940, enquanto grande parte dos edifícios circundantes foram construídos entre o final do século XIX e os primeiros anos do século XX. É notória também a ocupação intensiva do espaço interior dos quarteirões onde, na origem, terão existido quintais e jardins das antigas casas de habitação.


Diante do Coliseu, que constitui uma jóia da arquitectura portuguesa do século XX, há outro edifício marcante daquele período, a Garagem de Passos Manuel (1938) de Mário Abreu, arquitecto que trabalhou com Cassiano Branco e Júlio de Brito no projecto daquela sala de espectáculos.
Aparentemente não há diferenças entre a data em que a foto foi tirada e os dias de hoje, com excepção de um pormenor no canto inferior esquerdo da imagem, que mostra automóveis alinhados na periferia da Praça dos Poveiros, onde hoje existe um parque de estacionamento subterrâneo.
Clique na imagem para a ver maior.

13 de setembro de 2011

O Porto há 30 anos - I

A foto remonta à primeira metade dos anos 80, um tempo não muito distante se nos reportarmos à história milenar da cidade. A zona está consolidada desde meados do século XX, quando foi terminada a Avenida dos Aliados. De então para cá, as alterações, do ponto de vista do património edificado não foram muitas. É notória, no entanto, a mudança do pavimento da avenida, que provocou grande polémica em 2006. De resto, por detrás da Igreja da Trindade existia ainda a velha estação ferroviária da linha da Póvoa, que coabitava com uma bomba de gasolina, ambas desaparecidas para dar lugar à estação do metro, inaugurada em 2002. A poente da igreja pode ver-se uma pedreira que resultou da demolição do casario ali existente – o Muro da Trindade - nos anos 50. Hoje existe lá um centro comercial.


A fotografia, como outras que publicarei nos próximos dias, foi tirada no fim da tarde de um dia gelado de Inverno, com nuvens negras por cima, que alternavam com raios de sol vindos do lado do mar. É essa a causa da luz horizontal que atravessa a imagem de poente para nascente.
Clique na imagem para a ver maior.

6 de setembro de 2011

O Águia d'Ouro


Oitenta anos após a sua construção, em 1931, a fachada que foi o rosto do Café e do Cinema Águia d’Ouro surge renovada, neste Verão de 2011, para acolher um hotel.
Veja também o interior do velho cinema e a fachada, antes desta intervenção, n’ A Cidade Deprimente.