17 de março de 2015

A Rua do Comércio do Porto

É antiga de séculos, a Rua do Comércio do Porto. A parte de baixo - até à Rua de S. João Novo - já existia no tempo de D. Pedro I, no século XIV. Juntamente com a parcela de cima, que foi mandada abrir por D. Manuel I «para melhor serventia do povo e enobrecimento da cidade», teve, entre outras designações, as de Ferraria Nova e Ferraria de S. Francisco.

O nome actual da rua, ao contrário do que parece, não homenageia a actividade comercial da cidade, mas sim o jornal que aqui se publicou entre 1854 e 2005, razão pela qual deveria ser designada por Rua de O Comércio do Porto.

12 de março de 2015

Navegar no Douro

O Viking Torgil e o Viking Hemming são os barcos mais recentes a navegar no Douro. Foram construídos há um ano em Aveiro e ostentam o nome de uma empresa de cruzeiros fluviais, a Viking, que actua na Europa e na Ásia. Por cá, são operados pela Douro Azul. Acostados com outros seis barcos no cais de Gaia, retomarão em breve a subida do rio até Barca d'Alva, desvendando o património da região do Douro aos visitantes, na maioria, forasteiros.

27 de fevereiro de 2015

As Estações de S. Bento

Partilham o nome e ambas são estações ferroviárias. Uma serve passageiros dos comboios urbanos e regionais que partem do Porto, a outra os da área metropolitana. Para além do nome e da partilha da localização na Praça de Almeida Garrett, têm mais em comum: foram projectadas por dois grandes nomes da arquitectura portuense, Marques da Silva - um homem que traçou muito do que o Porto é hoje - e Álvaro Siza Vieira - o arquitecto contemporâneo de renome mundial.

No tempo, estão separadas por um século. A primeira pedra da S. Bento dos comboios foi colocada em 1900 pelo chefe de estado de então, o rei D. Carlos, enquanto a estação da Linha Amarela do Metro do Porto veria a luz do dia já depois do fim do século, em 2005.

(prima para ver maior)

12 de fevereiro de 2015

Da Casa das Virtudes

O brasão de José Pinto Meireles, Cavaleiro da Ordem de Cristo, na casa que mandou construir em 1767, com sua mulher D. Francisca Clara de Azevedo Pinto Aranha e Fonseca, onde está hoje instalada a Cooperativa Árvore.

Aquilo que nos parece, a desproporção entre a pedra de armas e a fachada baixa e corrida do edifício, é referido por Mário Cláudio, como uma «desconforme vistosidade» que, concede, «reflectia a robustez da Quinta das Virtudes». Do brasão, diz-nos: «era este em granito muito rude, sobre o lintel do telhado, figurando um escudo de composição partida, com os cinco crescentes do Pintos e, na parte onde se mostrava cortado, a águia, imponente e lateral, dos Azevedos e a cruz, florida e vazia, dos Meirelles. Por diferença, inseria uma brica, com um trifólio, e eis que revelava, ainda, um coronel de nobreza, além de mui interessantes motivos florais, a ladear o dito escudo».

Em: A Quinta das Virtudes

7 de fevereiro de 2015