12 de maio de 2015

O atelier de José Rodrigues

É nas instalações de uma antiga confecção de chapéus no alto da Fontinha, a Real Fábrica Social (1846-1914), que José Rodrigues tem o seu local de trabalho. São 1 300 m2 que, além do atelier, abrigam a residência do escultor, espaços expositivos e são também morada de outras actividades ligadas às artes.

José Rodrigues é considerado um dos renovadores da escultura em Portugal. Com ele, segundo a investigadora Laura Castro, a escultura nacional evoluiu «da estaticidade que lhe era peculiar para o movimento, da opacidade para a transparência, da ideia de estátua para a de objecto, do bronze e da pedra para todo o material que se quiser converter em matéria artística».

A Fábrica Social está aberta ao público de Segunda-Feira a Sábado, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

17 de abril de 2015

A Rua das Flores

A antiga rua de Santa Catarina das Flores foi mandada abrir pelo Venturoso no início do século XVI. Com a transferência da Misericórdia, da Sé para aqui, e a construção de moradias quinhentistas de famílias abastadas da cidade, tornou-se na principal artéria da urbe, antes do Porto se expandir para fora da muralha medieval. Ao longo dos séculos tem conservado a faceta mercantil, de que são exemplo as lojas de ourives ainda ali existentes. A imagem documenta a rua após as obras recentes ali realizadas, sem o predador dos centros históricos das cidades que dá pelo nome de automóvel.

9 de abril de 2015

A antiga Rua da Esperança

A antiga rua da Esperança, dos Cordoeiros e, mais tarde, da Cordoaria Velha, que trepa do Largo de S. Pedro de Miragaia ao Passeio das Virtudes, tem hoje os nomes de dois portuenses ilustres. Até ao gracioso gaveto da imagem evoca Tomás Gonzaga, o poeta luso-brasileiro autor da Marília de Dirceu, nascido em Miragaia em 1744. Dali para cima é designada por Francisco da Rocha Soares, de que houve dois com o mesmo nome, pai e filho, distintos impulsionadores da indústria de cerâmica no século XIX, com fábricas em Miragaia e em Massarelos.

2 de abril de 2015

Ao Mestre

«A vida não existe, existe apenas o que fica do seu teatro»
Manoel de Oliveira em «Poema Cinematográfico», 1986

17 de março de 2015

A Rua do Comércio do Porto

É antiga de séculos, a Rua do Comércio do Porto. A parte de baixo - até à Rua de S. João Novo - já existia no tempo de D. Pedro I, no século XIV. Juntamente com a parcela de cima, que foi mandada abrir por D. Manuel I «para melhor serventia do povo e enobrecimento da cidade», teve, entre outras designações, as de Ferraria Nova e Ferraria de S. Francisco.

O nome actual da rua, ao contrário do que parece, não homenageia a actividade comercial da cidade, mas sim o jornal que aqui se publicou entre 1854 e 2005, razão pela qual deveria ser designada por Rua de O Comércio do Porto.