15 de Abril de 2014

A Casa Allen

O palacete da rua António Cardoso em cujo jardim está, num canto recolhida, a Casa das Artes, foi residência de Joaquim Aires de Gouveia Allen (1890-1972). Membro de uma família britânica ligada ao negócio de vinhos, que se estabeleceu no Porto há dez gerações, Joaquim Allen era engenheiro de formação, foi cônsul da Bélgica no Porto e era casado com a filha mais velha de Adriano Ramos Pinto. O seu bisavô foi o ilustre portuense João Allen (1781-1848), membro da Feitoria Inglesa e co-fundador da Associação Comercial , que instituiu o primeiro museu do Porto. Era neto de Alfredo Allen (1828-1907), paisagista, botânico e grande impulsionador do desenvolvimento da cidade, que recebeu das mãos de D. Luís I o título de Visconde de Vilar d'Allen.

A casa foi encomendada ao arquitecto Marques da Silva, numa zona da cidade onde, nos anos 20, proliferaram inúmeras residências de luxo pertencentes a famílias ilustres do Porto. Rodeada por um belo jardim, tem uma particularidade que surpreende quem a visita. A fachada nascente, trabalhada como o rosto da casa, com um pórtico colunado, não corresponde à entrada principal. Esta é feita através da fachada sul, que dá acesso a um átrio a partir do qual se articulam as divisões interiores. Talvez Joaquim Allen, que alterou o projecto inicial do arquitecto, tenha tomado esta decisão para usufruir de maior exposição solar.
A Casa Allen, que está a cargo da Direcção Regional de Cultura do Norte, foi classificada como Imóvel de Interesse Público em Outubro de 2012.

3 de Abril de 2014

Da inimputabilidade política

Gondomar é geralmente ignorada pelas gentes do Porto e, no entanto, é tão parte integrante da mancha urbana que tem o Porto no centro, como Gaia, Matosinhos ou a Maia.
Marco Martins, o actual presidente do município, tem para gerir quatrocentos processos judiciais em que a câmara é ré, herdados de Valentim Loureiro, que presidiu ao município entre 1993 e 2013. Interrogado sobre a possibilidade de responsabilizar o anterior autarca, respondeu com a verdade dos factos: «qualquer tentativa nesse sentido costuma ter do ponto de vista prático, zero de solução».
A ler no Porto24.

21 de Março de 2014

O Porto visto do ar - III

Lavadores, Vila Nova de Gaia, 1998.
(Fotografia com resolução suficiente para ser observada em pormenor, se for descarregada para o computador)

12 de Março de 2014

O Presidente e o Arquitecto

Rui Moreira conversando com o arquitecto João Carlos dos Santos, após a visita de hoje às obras de reabilitação da Igreja e da Torre dos Clérigos. João Carlos dos Santos é uma espécie de seguro de vida para a intervenção que está a ser efectuada naquele espaço monumental, dada a sua experiência no restauro, na reabilitação e recuperação de edifícios patrimoniais. É da sua autoria, juntamente com a arquitecta paisagista Maria João Dias Costa, a recuperação do Mosteiro de S. Martinho de Tibães, em Braga. Sobre a visita, veja aqui.

7 de Março de 2014

Arquitectura do Rabelo


A Arquitectura do Rabelo foi abordada neste blogue em 2005, através da publicação de fotografias tiradas aquando das filmagens do documentário que agora se apresenta, feito com base num estudo do professor Octávio Lixa Filgueiras. O filme, que relata o processo tradicional de construção de barcos rabelos, correspondeu à última oportunidade de fixar imagens para o futuro, de uma tradição hoje perdida, a execução de um barco rabelo por um dos últimos mestres calafates do rio e alguns artífices que com eles trabalharam.

As filmagens decorreram entre Junho e Agosto de 1991, em vídeo e em película de 35mm. Infelizmente não houve capacidade financeira para a montagem da versão cinematográfica que, passados vinte e cinco anos, anos se mantém em negativo.

6 de Março de 2014

Nasci adulta, morrerei criança.

Agustina Bessa Luís afirmou um dia que a «velhice é repugnante» porque «tudo na velhice é transformado num desejo apático e sobretudo numa enorme melancolia». Talvez assim se entenda melhor o título deste filme biográfico, «Nasci adulta, morrerei criança», uma frase sua publicada em «O Cão que Sonha», que a escritora viria a explicar numa entrevista a Anabela Mota Ribeiro, em 2002: «A inocência, a verdadeira inocência, é cheia de sabedoria. O que encontramos nas crianças é justamente isso. Agora, há muitas crianças que, ainda muito novas, são integradas no seu meio cultural e que imediatamente ficam travadas. Perdem a inocência e transformam-se no adulto ideal. (...) Conservo esse lado infantil. Espero que se torne mais agudo e que passe a morrer criança».