6 de dezembro de 2015

À volta das Virtudes

«Em toda a cidade não há sítio nem mais ameno nem mais agradável; porque além da sua bela posição adornada de regulares edifícios, gozam os olhos de um só golpe, vista de cidade, de mar, rio, navios, montes, campinas, quintas e palácios.»

Agostinho Rebelo da Costa, 1789

20 de setembro de 2015

Uma janela sobre o mar e a cidade

Adorável, maravilhoso, fantástico, luminoso, branco e aberto, uma janela sobre o mar e a cidade, são alguns dos epítetos que têm bailado no ar a propósito do novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões e também, o que tem andado um pouco esquecido, Polo do Mar da Universidade do Porto, que ocupará metade do edifício. No entanto, quando a estrutura em espiral com a cobertura inclinada começou a aparecer no horizonte do molhe sul do porto, as reacções foram de interrogação sobre o que seria e para que serviria «aquilo».

No início de 2014, Luís Pedro Silva, arquitecto autor da obra, esclarecia através da Lusa: «o edifício nasce sobretudo da envolvente portuária, ou seja, é a curva do molhe onde se insere que sugere a forma curvilínea que contamina todos os elementos do desenho», acrescentando que a cobertura inclinada era, nada mais nada menos, do que um anfiteatro sobre o mar e as cidades do Porto e Matosinhos.

Entusiastas e detractores - também os há, por o terminal ter sido construído em tempos de austeridade - poderão concordar numa coisa, o Terminal de Cruzeiros veio para ficar e tal como a Casa da Música, que tanta celeuma provocou, é mais uma marca identitária e enriquecedora da região que tem a cidade do Porto como centro.

Para saber mais leia «Terminal de cruzeiros de Leixões: um óvni fora de água», de André Tavares, no jornal Público.

23 de junho de 2015

Dia de São João

Mais que santo da Igreja
É do Porto o S. João,
Cá todo o povo o festeja
Mouro, judeu ou cristão.

12 de maio de 2015

O atelier de José Rodrigues

É nas instalações de uma antiga confecção de chapéus no alto da Fontinha, a Real Fábrica Social (1846-1914), que José Rodrigues tem o seu local de trabalho. São 1 300 m2 que, além do atelier, abrigam a residência do escultor, espaços expositivos e são também morada de outras actividades ligadas às artes.

José Rodrigues é considerado um dos renovadores da escultura em Portugal. Com ele, segundo a investigadora Laura Castro, a escultura nacional evoluiu «da estaticidade que lhe era peculiar para o movimento, da opacidade para a transparência, da ideia de estátua para a de objecto, do bronze e da pedra para todo o material que se quiser converter em matéria artística».

A Fábrica Social está aberta ao público de Segunda-Feira a Sábado, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

17 de abril de 2015

A Rua das Flores

A antiga rua de Santa Catarina das Flores foi mandada abrir pelo Venturoso no início do século XVI. Com a transferência da Misericórdia, da Sé para aqui, e a construção de moradias quinhentistas de famílias abastadas da cidade, tornou-se na principal artéria da urbe, antes do Porto se expandir para fora da muralha medieval. Ao longo dos séculos tem conservado a faceta mercantil, de que são exemplo as lojas de ourives ainda ali existentes. A imagem documenta a rua após as obras recentes ali realizadas, sem o predador dos centros históricos das cidades que dá pelo nome de automóvel.

9 de abril de 2015

A antiga Rua da Esperança

A antiga rua da Esperança, dos Cordoeiros e, mais tarde, da Cordoaria Velha, que trepa do Largo de S. Pedro de Miragaia ao Passeio das Virtudes, tem hoje os nomes de dois portuenses ilustres. Até ao gracioso gaveto da imagem evoca Tomás Gonzaga, o poeta luso-brasileiro autor da Marília de Dirceu, nascido em Miragaia em 1744. Dali para cima é designada por Francisco da Rocha Soares, de que houve dois com o mesmo nome, pai e filho, distintos impulsionadores da indústria de cerâmica no século XIX, com fábricas em Miragaia e em Massarelos.

2 de abril de 2015

Ao Mestre

«A vida não existe, existe apenas o que fica do seu teatro»
Manoel de Oliveira em «Poema Cinematográfico», 1986

17 de março de 2015

A Rua do Comércio do Porto

É antiga de séculos, a Rua do Comércio do Porto. A parte de baixo - até à Rua de S. João Novo - já existia no tempo de D. Pedro I, no século XIV. Juntamente com a parcela de cima, que foi mandada abrir por D. Manuel I «para melhor serventia do povo e enobrecimento da cidade», teve, entre outras designações, as de Ferraria Nova e Ferraria de S. Francisco.

O nome actual da rua, ao contrário do que parece, não homenageia a actividade comercial da cidade, mas sim o jornal que aqui se publicou entre 1854 e 2005, razão pela qual deveria ser designada por Rua de O Comércio do Porto.

12 de março de 2015

Navegar no Douro

O Viking Torgil e o Viking Hemming são os barcos mais recentes a navegar no Douro. Foram construídos há um ano em Aveiro e ostentam o nome de uma empresa de cruzeiros fluviais, a Viking, que actua na Europa e na Ásia. Por cá, são operados pela Douro Azul. Acostados com outros seis barcos no cais de Gaia, retomarão em breve a subida do rio até Barca d'Alva, desvendando o património da região do Douro aos visitantes, na maioria, forasteiros.

27 de fevereiro de 2015

As Estações de S. Bento

Partilham o nome e ambas são estações ferroviárias. Uma serve passageiros dos comboios urbanos e regionais que partem do Porto, a outra os da área metropolitana. Para além do nome e da partilha da localização na Praça de Almeida Garrett, têm mais em comum: foram projectadas por dois grandes nomes da arquitectura portuense, Marques da Silva - um homem que traçou muito do que o Porto é hoje - e Álvaro Siza Vieira - o arquitecto contemporâneo de renome mundial.

No tempo, estão separadas por um século. A primeira pedra da S. Bento dos comboios foi colocada em 1900 pelo chefe de estado de então, o rei D. Carlos, enquanto a estação da Linha Amarela do Metro do Porto veria a luz do dia já depois do fim do século, em 2005.

(prima para ver maior)

12 de fevereiro de 2015

Da Casa das Virtudes

O brasão de José Pinto Meireles, Cavaleiro da Ordem de Cristo, na casa que mandou construir em 1767, com sua mulher D. Francisca Clara de Azevedo Pinto Aranha e Fonseca, onde está hoje instalada a Cooperativa Árvore.

Aquilo que nos parece, a desproporção entre a pedra de armas e a fachada baixa e corrida do edifício, é referido por Mário Cláudio, como uma «desconforme vistosidade» que, concede, «reflectia a robustez da Quinta das Virtudes». Do brasão, diz-nos: «era este em granito muito rude, sobre o lintel do telhado, figurando um escudo de composição partida, com os cinco crescentes do Pintos e, na parte onde se mostrava cortado, a águia, imponente e lateral, dos Azevedos e a cruz, florida e vazia, dos Meirelles. Por diferença, inseria uma brica, com um trifólio, e eis que revelava, ainda, um coronel de nobreza, além de mui interessantes motivos florais, a ladear o dito escudo».

Em: A Quinta das Virtudes