8 de Maio de 2006

Da Urbe e do Burgo - V

Quando comecei a abordagem do livro de crónicas de Sant'Anna Dionísio, que intitula esta rubrica, foi minha intenção conseguir autorização para fotografar o Desterrado, no Museu de Soares dos Reis. Tal intento sairia gorado porque o Instituto Português de Museus, através da sua Divisão de Documentação Fotográfica «é o único responsável pelo registo fotográfico das obras à guarda dos museus do IPM».

A excelente fotografia aqui publicada foi adquirida num alfarrabista e é proveniente do espólio de uma empresa gráfica falida. Trata-se de um original impresso em papel de emulsão fotográfica, com 12x17 cm, realizado por um profissional, que se encontra em muito bom estado de conservação. Um verdadeiro achado que, para além da satisfação pessoal da posse, permite a ilustração da crónica que aqui hoje se reproduz.
_________________________________


A Originalidade do Desterrado

Como se sabe, Soares dos Reis viveu em Roma, como pensionista, horas verdadeiramente atrozes, no momento preciso em que trabalhava na fase mais delicada da modelação da sua obra-prima, o Desterrado.



Por determinação do Governo, em Lisboa, a sua bolsa de estudos havia sido suspensa e por intermédio do ministro português em Roma, conde de Tomar, o artista recebera ordem de regressar.

As chamadas entidades oficiais partiam do princípio de que o tempo que havia sido concedido ao pensionista para realizar a sua académia já bastara. Na realidade, o trabalho do moço escultor encontrava-se apenas na fase preliminar da transposição do gesso para o mármore, pouco antes adquirido.

A situação angustiosa do Escultor avalia-se pela carta, cheia de amarga dignidade, que dirigiu, em começos de Novembro de 1871, à Academia Portuense de Belas-Artes. Tendo a bolsa já suspensa e a braços com um compromisso legal relativo ao desbaste do mármore, confiado a um artífice, o artista trabalha com desespero. Compreenderão, «lá em baixo», a seriedade da sua obra? a sua necessidade de tempo?

Ao fim de não se sabe que incertezas e privações, a moratória foi finalmente concedida, mas com um rigoroso e farisaico prazo.

Em breves meses, Soares dos Reis cinzelou e trabalhou, arrancando do bloco de mármore a maravilhosa figura de nostalgia transcendente que concebera. O prazo, porém, era inexorável e o Desterrado seria remetido, em meados do Verão de 1872, para Portugal, não ainda inteiramente concluído, tal era a pressão das «entidades oficiais».

Por isso, o Escultor se viu na necessidade de mandar tirar o molde de alguns pormenores anatómicos do adolescente que lhe servia de modelo, a fim de poder dar, mais tarde, os últimos retoques que a figura ainda requeria.
Longe estava o artista de prever a provação que lhe estaria ainda reservada.



Mal chegado à Pátria, acompanhado da sua maravilhosa obra, viu cair sobre ela a espantosa suspeita de que era «uma falcatrua». Exactamente, como daí a pouco tempo (em 1877), sucederia a Rodin, ao expor a sua Idade de Bronze, tida como obra de fraude, Soares dos Reis é acusado, à sorrelfa, de haver feito o Desterrado por meio de sucessivos moldes.

É claro que nem todos participavam dessa atitude de desconfiança e maldade. Perante a beleza da escultura, tão rica de simbolismo, muitos rendiam ao artista a devida gratidão. Simplesmente, os bons sentimentos são em regra indolentes e silenciosos, enquanto que os malignos são verminosos e activos. Por isso, em regra, o artista criador da obra de mérito tem a sensação frequente do zumbido e raríssimas vezes a do ar alciónico da verdadeira compreensão.

Em volta do artista, a malícia insinuava-se e circulava. Alguns iam ao ponto de afirmar que a escultura trazida de Itália era, essencialmente, uma obra do mestre italiano Monteverde ( cujo «atelier» Soares dos Reis frequentara algum tempo, em Roma), e não uma obra sua.

A maligna suspeita partia de um pintor que em tempos havia sido amigo e protector do Escultor, ainda adolescente! Outros, ainda, garantiam misteriosamente que a figura do Desterrado era mera «adaptação» de uma escultura clássica existente num Museu de Roma.

À distância de oitenta anos, é lícito perguntar: - Como foi possível levantar e pôr a correr essa monstruosa suspeita? Quem a terá suscitado e alimentado? Que consequências morais terá tido tal insídia na alma hipersensível do Escultor?

Soares dos Reis não era um homem de letras. Não era, como Rodin, um espírito também capaz de usar do sarcasmo, defensivo e catártico. O que sofria, guardava e recozia. Perante a mediocridade ressentida, isolava-se.
Cheio de amargor, chorava para dentro. Daí a seriedade profunda do velho precoce, do macambúzio barbudo, do «neurasténico».

Com precisão, será hoje muito difícil esclarecer o que se passou. O que se sabe, por vagas tradições orais, é que a injúria recaiu em cheio sobre o genial estatuário e que ainda dez anos após a sua chegada de Roma a tradição maldosa do «plagiato» ou da «fraude» circulava em certos mentideros do Porto e de Lisboa, a tal ponto que o antigo ministro de Portugal em Roma, marquês de Tomar, se vira na necessidade moral de dirigir uma carta (em fins de 1881) ao conde de Samodães, director da Academia Portuense de Belas-Artes, a garantir a autenticidade da obra que ele vira, dia a dia, modelar em gesso e plasmar no mármore pelo antigo pensionista, que ele acolhera e profundamente admirava.



O que o Artista terá sofrido em silêncio nessa atmosfera de maldade só o poderão ter pressentido as paredes frias do seu pobre «atelier», onde trabalhava de sol a sol, como vulgar santeiro, a realizar mesquinhas encomendas.

Imagine-se, principalmente, conhecida a sua hombridade, o que o terá trespassado quando descobriu (se descobriu) que um dos malsinantes que com maior sanha espalhavam a insídia de que o Desterrado era uma obra falsificada, fora, alguns anos antes, quem o trouxera para aquela Escola do Porto, onde plenamente se revelaria o seu fatum!

Deixemos, porém, esses abismos ou furnas onde qualquer aprendiz de psicanálise poderia exercitar a sua curiosidade de metamorfoses e disformidades de sentimentos e ressentimentos, e vejamos, apenas, para terminar, onde teria sido chocada a suspeita maligna de que o Desterrado era uma simples obra de moulage ou uma contrafacção de uma obra de museu.

A primeira suspeita deve-se, seguramente, ao facto de Soares dos Reis, compelido (como atrás dissemos) pela necessidade de abandonar Roma antes de poder dar os últimos retoques no mármore, haver remetido para o Porto, juntamente com a estátua, alguns moldes de pormenores anatómicos do adolescente que lhe servira de modelo vivo e sobre esses elementos de estudo haver dado, já em Portugal, a última demão na sua obra antes de fazer a sua entrega à Escola de Belas-Artes.

Daí decerto o rumor, crasso, de que a obra era uma «habilidade de oficina», exactamente como em Paris diriam os mestres oficiais do estilo pompier acerca da primeira obra reveladora da audácia de Rodin. Como se uma verdadeira obra de escultor pudesse ser algum dia fruto de um trabalho desse género.

A segunda suspeita - a de que o Desterrado seria uma contrafacção - , fundava-se (segundo supomos) na existência, no Museu das Termas, em Roma, de uma estátua, Marte em Repouso, na qual talvez se possa notar (pelo que depreendemos de uma fotografia) uma certa analogia de atitude com a obra do estatuário português: o deus é representado como um jovem de formas elegantes mas plenas, na posição de meio repouso, torso um quase nada inclinado, rosto aberto, emoldurado numa cabeleira farta, as mãos cruzadas sobre o joelho da perna esquerda soerguida.

No primeiro relance - segundo nos confessou ainda recentemente Jaime Cortesão, que de surpresa a descobriu um dia e com demora a contemplou - , dir-se-ia que a obra de Soares dos Reis é uma réplica dessa escultura clássica, tida como cópia de uma desaparecida obra de Scopas.

Na realidade, as duas obras são inconfundíveis. A expressão fisionómica, a inclinação do tronco, a posição das mãos, e, acima de tudo, o pathos que envolve a escultura do estatuário português não dão margem a que se admita a brutal insinuação que tão profundamente feriu o grande artista e que certamente não deixou de estar presente na sua alma na hora da tácita revisão dos prós e dos contras das amarguras e humilhações que determinaram o seu desesperado fim.

Sant'Anna Dionísio

24 comentários:

rps disse...

Não fazia ideia desta história do Desterrado. Obrigado, CR.
Abraço!

Carlos Romao disse...

RPS,
as crónicas do Sant'Anna Dionísio são todas muito interessantes. Irão passando por aqui conforme eu for arranjando ilustrações originais. Um abraço.

CARMO disse...

As coisas que por aqui aprendemos... excelente post, obrigado!

Carla Silva disse...

Apesar de já ter visitado várias vezes o "Soares dos Reis" não sabia a existência desta história. Gostei imenso. Muito obrigada.

Joaquim Baptista disse...

Esta atitude em relação a Soares dos Reis, é infelizmente, tipicamente lusitana. Quando alguém emerge são mais que muitos a tentar afundar.

Funes, o memorioso disse...

Este é, definitivamente, "o meu Carlos".

augustoM disse...

O homem tem muitos defeitos, mas a inveja é o pior deles todos, por ser ela a motivadora dos outros.
Um abraço. Augusto

Filipa disse...

Sem dúvida, que estamos sempre a aprender. História interessante.

mitzrael disse...

Já conhecia esta história, etambém eu fiquei meio aparvalhada quando a ouvi pela 1ª vez.

Sendo uma estudante de escultura, tenho uma admiração profunda pela obra de Soares dos Reis.

Sei a dificuldade que é modelar um corpo humano, transpôr para a obra esta sensibilidade, esta expressão... já para não falar no trabalho de pedra, extenuante por si só.

Conseguir fazer uma obra com tamanha mestria, só para que depois ninguém acredite que é inteiramente nossa, que nos saiu do esforço e suor contínuo... acredito que deve ter sido um duro golpe.

Obrigado por chamar a atenção para este nosso GRANDE escultor.

Anónimo disse...

www.paredesdecoura.com

Nuno disse...

Excelente post. Confesso que não conhecia a história.

Invictus Tripeirum disse...

Muito Bom.

Anónimo disse...

Mesmo depois de morto o Estado o persegue: agora, dificultando a divulgação da sua obra. Pobre país este.

O Pilha Blogs disse...

Descobrir este blog foi para mim um optimo achado, já deu para ver que tenho aqui muita coisa interessante para aprender, coisas da minha terra coisas que eu gosto... Obrigado...!

copa-rota disse...

Excelente serviço público é aqui prestado, CR...

Obrigado, foi deveras gratificante para mim, pois sou um " apaixonado " pela obra de Soares dos Reis...

Adorei!!!

Bem-haja ;-)

merdinhas disse...

O desterrado sentado no penedo de Capri...sabes que há selos portugueses com essa escultura?

Se descobrir o link deixo-o aqui.

Carlos Romao disse...

Não sabia, merdinhas. Fico a aguardar.

merdinhas disse...

http://www.caleida.pt/filatelia/fp/ebook/bfd007_p.pdf


Selos de Portugal:É um pdf...encontras os 3 selos na página 44.

Rosario Andrade disse...

Bom dia Carlos!
O que condenou Soares dos Reis foi a terrivel mania dos lusos de rebaixar tudo quanto lhe saia do ventre e blilhe um pouco. É por essa razão, pela inveja insidiosa e maldita de quem não trabalha ou tem talento, que não suporta a ideia de um dos seus ser considerado, que, apesar de termos excelentes artistas ao longo dos séculos, apenas um reduzidíssimo número de nomes é reconhecido internacionalmente. E mesmo assim, são na meioria pessoas que optaram por viver no estrangeiro. Assim vai a alma lusa!...
Bjico!

sombr|A|rredia disse...

...Sempre o admirei(ao Soares dos Reis)e vou continuar a admirar esta (que pra mim) é a mais bela obra desse artista.
Obrigada pela história, cuja existência desconhecia

Carlos Romao disse...

Merdinhas, obrigado pelo link.
Estava com curiosidade para saber de que lado a escultura estava representada. O ângulo não difere da fotografia que reproduzi aqui. As fotos oficiais têm tendência para esconder os genitais do Desterrado, quando, como é sabido, o homem está representado nu. Também não imagino uma edição de selos com a escultura fotografada de frente, quatro dias após o 25 de Abril de ?74. Nem hoje! Os motivos são os mesmos que levaram à amputação dos nus clássicos que estão no Museu do Vaticano. Mudaram os tempos, ficaram as vontades.

Rosario A.
Estando tu no exterior, curvo-me perante a tua opinião :)

merdinhas disse...

Ainda por causa de estátuas...
Quando tiveres paciência e tempo vai ao me blog e vê, no mês de Julho de 2005, dois posts "Objectos Lisboetas II" E "Objectos Lisboetas III", depois, para terminar a história vê, já em Agosto, o "Objectos Lisboetas IV ..."

Duarte disse...

Só agora pude ver este magnífico trabalho, assim como os distintos comentarios, todos de certo releve. Sou um admirador da obra do Soares dos Reis e especialmente de Fllor Agreste, que como muito bem diz Diogo de Macedo...representa a flor mais mimosa da escultura portuguesa. A sua obra é amplia e talvez a mais vista, e menos relacionada com o artista, a do Dom Afonso Henriques em Guimarães. Existe una publicação em quatro grandes livros da historia da Escultura e nem mencionam ao nosso artista; a obra é de Albert Skira. É uma pena, com bem dizéis...

alegna disse...

Ainda bem que tropecei neste Blog, já está nos favoritos ... eu já conhecia esta história ... aprecio imenso a obra de Soares do Reis bem como de Teixeira Lopes ... gostei tb de ler os comentários ... :) vou estar atenta :)