3 de outubro de 2011

Hilda Ofélia

A imagem abaixo está num recanto do Centro Português de Fotografia, ampliada e iluminada pela retaguarda. Representa Hilda Ofélia, filha de Aurélio da Paz dos Reis (1862-1931) e tem atribuída a data de 1908.
Aurélio tinha o hábito de enviar postais fotográficos aos clientes e amigos. Para além da filha, este postal está carregado de símbolos, dos valores e das referências do fotógrafo, cineasta, floricultor, romântico e revolucionário: um busto da República – antes de ter sido implantada em Portugal – um globo terrestre, livros de autores maçónicos, duas garrafas de vinho do Porto, uma camélia e fotografias da mãe, da mulher e dos filhos.


Luís de Pina, cinéfilo e crítico de cinema, escreveu que o nome Paz dos Reis foi dado ao pai de Aurélio – filho de um miguelista ferrenho - para recordar o fim da guerra civil entre D. Pedro e D. Miguel. Aurélio, por sua vez, acabou por baptizar os filhos com nomes invulgares: Homero Áureo, Horácio Fortunato, Hugo Virgílio e a nossa Hilda Ofélia. Hilda e Homero faleceram em 1919, vítimas da gripe pneumónica que ceifou 60 000 vidas em Portugal. Horácio morreu em França na 1º Guerra Mundial, em 1918. Rudes golpes.
Foi o filho de Hugo Virgílio, Hugo Cândido da Paz dos Reis, que depositou no CPF, em 1997, o espólio de Aurélio, com a condição de não ser retirado do Porto.
Algo que nunca vi escrito e me foi dito por Paula Paz dos Reis, bisneta de Aurélio, sobre a razão de existirem poucos filmes do homem que pela primeira vez rodou uma manivela de cinema em Portugal: os filhos dele, crianças, entretiveram-se a queimar parte das películas de nitrato de celulose filmadas pelo pai.