17 de dezembro de 2004

Ponto de Vista



As cidades, tal como os seres vivos, estão em permanente transformação. Nesta fotografia, de 1997, podemos observar algumas das mudanças que o centro granítico do Porto sofreu de então para cá.

Um estaleiro de obras estendia-se do Largo de S. Francisco até à Rua Nova da Alfândega, junto ao rio. O jardim da Cordoaria ainda não tinha sido petrificado pela Sociedade Porto 2001, capital Europeia da Cultura, entidade que viria a dedicar-se
à conversão do jardim do Infante D. Henrique, num aterro relvado. As obras que requalificaram a Ribeira ainda não tinham começado.

Porém, a mais interessante observação que a fotografia proporciona é a de duas malhas urbanas distintas. Uma apertada, que corresponde ao casario que ficava dentro da Muralha Fernandina, e outra mais larga, com ruas e praças mais desafogadas, construídas após o derrube da muralha medieval.

As ruas que corriam ao longo da periferia da muralha, constituem hoje uma nítida linha divisória entre a cidade medieva e aquela que viria ser construída no século XIX. Por ali passa também a demarcação da UNESCO, que em 1996 classificou a área delimitada pelas muralhas do século XIV, com o galardão de Património da Humanidade.

5 comentários:

Jorge Rego disse...

Cá estou para te felicitar pelo novo blog e ao mesmo tempo para testares se estás a receber isto direito. Vai em frente.
Abraço
Jorge

manueladlramos disse...

Que boa surpresa! ;-)
E muito obrigada pelas visitas e comentários.

Helewidis disse...

Earth calls to Capuchinho vermelho. Capuchinho calls to lobo mau:


Gostei muito da simplicidade e do teu toque "escrítico", no entanto faltou ainda um pouco mais daquela crítica ácida... Ou então se houve passou-me ao lado, por não saber muito da realidade do Porto.


beijinhos

Anónimo disse...

Por acaso vim parar esta pagína e que agradável surpresa, porque gosto de fotografia, de poesia, e porque com tamanha qualidade só podes mesmo ser jornalista e dos melhores...ficarei eternamente na dúvida, mas mesmo assim valeu...continua porque precisamos de muitos Carlos Romão...
MP

Anónimo disse...

O meu muito obrigado!!

Por todo este turbilhar de emoçoes que me fez sentir....chorei, ri...recordei e vivi!!!
Obrigado por saber amar, como eu, a minha cidade!

Um abraço
Sónia Oliveira