4 de março de 2014

O mar em Lavadores

Vila Nova de Gaia

5 comentários:

Fernando Ribeiro disse...

As fotografias são magníficas, como é seu timbre, mas falta-lhes um termo de comparação para termos uma ideia das dimensões do que se vê. É evidente que a culpa não é sua, longe de mim tal ideia. Na segunda foto, sobretudo, veem-se os dois rochedos chamados Pedras Amarelas, que são realmente muito grandes, quase submersos! Eu nunca os tinha visto assim!

Carlos Romao disse...

Peço desculpa, Fernando Ribeiro, só hoje vi o seu comentário. Gostei da luz reflectida no mar e por isso fotografei, mas desconhecia que as pedras tinham nome.

Fernando Ribeiro disse...

Pois é, Carlos Romão, tal como em muitas outras praias, em Lavadores alguns rochedos têm nomes. Estou a lembrar-me do Penedo da Saudade, que fica bastante perto da Casa Branca, da Pedra Moura, situada mais para sul, e do Penedo do Cão, muito próximo da embocadura do Rio Douro e ao qual Raul Brandão fez referência em Os Pescadores, se não me engano.

Tanto o Penedo do Cão como a Pedra Moura, pelo menos, têm lendas associadas. Relativamente ao Penedo do Cão, diz-se que ele é um cão, que ficou petrificado de tanto esperar pelo regresso do seu dono, morto num naufrágio. Quanto à Pedra Moura, remeto-o para a seguinte página: http://canidelogaiaminhaterraquerida.blogspot.pt/2010/09/lenda-da-pedra-da-moura-na-praia-de.html.

As praias de Lavadores e de Espinho foram as praias da minha infância, onde eu passava as minhas férias, um ano numa e outro ano noutra. Mas era de Lavadores que eu mais gostava.

Carlos Romao disse...

A lenda é interessante, quando for a Lavadores vou tentar identificar a Pedra Moura. Na Porto conheço apenas o nome de um rochedo, que está sempre meio submerso, o Gilreu, que fica diante da Praia da Luz.

Duarte disse...

Vir até aqui, é aprender.
Desconhecia-o...
Obrigado