20 de setembro de 2015

Uma janela sobre o mar e a cidade

Adorável, maravilhoso, fantástico, luminoso, branco e aberto, uma janela sobre o mar e a cidade, são alguns dos epítetos que têm bailado no ar a propósito do novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões e também, o que tem andado um pouco esquecido, Polo do Mar da Universidade do Porto, que ocupará metade do edifício. No entanto, quando a estrutura em espiral com a cobertura inclinada começou a aparecer no horizonte do molhe sul do porto, as reacções foram de interrogação sobre o que seria e para que serviria «aquilo».

No início de 2014, Luís Pedro Silva, arquitecto autor da obra, esclarecia através da Lusa: «o edifício nasce sobretudo da envolvente portuária, ou seja, é a curva do molhe onde se insere que sugere a forma curvilínea que contamina todos os elementos do desenho», acrescentando que a cobertura inclinada era, nada mais nada menos, do que um anfiteatro sobre o mar e as cidades do Porto e Matosinhos.

Entusiastas e detractores - também os há, por o terminal ter sido construído em tempos de austeridade - poderão concordar numa coisa, o Terminal de Cruzeiros veio para ficar e tal como a Casa da Música, que tanta celeuma provocou, é mais uma marca identitária e enriquecedora da região que tem a cidade do Porto como centro.

Para saber mais leia «Terminal de cruzeiros de Leixões: um óvni fora de água», de André Tavares, no jornal Público.