18 de maio de 2017

Luz e sombra no Largo dos Lóios


Foi o uso dado a este espaço urbano ao longo do tempo que ditou o seu traçado irregular. Com efeito, o largo tem origem num arruamento que ligava a entrada da muralha românica, então existente ao fundo da actual rua dos Clérigos e denominada de Santo Elói, à rua do Souto, que hoje conhecemos como sendo dos Caldeireiros. Essa rua, chamada de Mendo Afonso, desapareceu no século XVII quando no seu lugar foi aberto um terreiro, que está na origem do que conhecemos hoje como Largo dos Lóios, aqui representado num destes dias de Primavera marcados pelo vento e pelo sol brilhante.




2 comentários:

Professor Pedro A. C. Teixeira disse...

Olá Carlos Romão, fraterno amigo.
Qualquer elogio às fotos seria como malhar em ferro frio, pois todas estão ótimas, belíssimas, mas a que mais me chamou a atenção foi a terceira e derradeira imagem. Retrata bem os prédios, com o brilho especial do Sol, contrastando com a sombra abaixo. O prédio da MBM, mais escuro e enegrecido em suas sacadas, como dizemos aqui no Brasil, dá um destaque significativo no todo de cores leves. Muito lindo. Há ao que me parece um monumento em aço, que tanto me chamou a atenção que eu fui “campear” (procurar) na Internet sobre tal. Encontrei varias fotos, inclusive à noite, todo iluminado. Maravilhoso! Há algum significado ou é apenas uma bela ornamentação do Largo.
Caríssimo amigo, sempre com elevada estima e consideração, deixo um abraço, lembrando que a expectativa, que por duas vezes foi anunciada da provável renúncia do FORA Temer, não aconteceu, dependemos agora da Suprema Corte. A maioria espera ansiosa.

Carlos Romao disse...

Muito obrigado Pedro Teixeira.
A estrutura metálica do Largo do Lóios, faz parte de um conjunto de instalações com que se pretendeu comemorar o 20º aniversário, em 5 de Dezembro passado, da classificação do centro histórico do Porto como Património Mundial, pela UNESCO. Creio que será desmontada brevemente.
O prédio da MBM, que refere, está escurecido pela sujidade. Daí advém o contraste com os outros que foram "limpos" há pouco tempo, revelando as tão bonitas cores originais.
A crise política no Brasil tem sido acompanhada pelos média portugueses com grande relevo. Hoje relatam que Michel Temer não se demite nem que seja constituído arguido. A ver vamos, porque a situação é de facto muito grave. O ideal seria que houvesse eleições.
Um abraço amigo.