8 de julho de 2011

Café e hotel





«Na década de 60, os cafés foram assaltados pela banca, mas não temos assistido à transformação da banca em café. O Astória é o primeiro caso de um banco passar a café.»
A observação é de Helder Pacheco comentando a reabertura do Café Astória, integrado no hotel Intercontinental Palácio das Cardosas. Café e hotel são, como já aqui dissemos, uma mais-valia para a cidade, dois elementos novos na baixa do Porto, que desejamos renovada.

15 comentários:

Duarte disse...

Que bela panorâmica da Baixa!
Elegante ambiente interior.
Elementos assim são bem necessários, o que dá nome e prestígio a uma cidade.
Fazia falta, o Porto merece-o.
Boas fotografias.
Abraços

ssru disse...

caro Carlos, somos bem a favor da chegada do intercontinental à baixa. o edifício já tinha sido quase todo destruído pela banca (ilegalmente) por isso era impossível estragá-lo mais, coisa que não foi feita agora. o helder salgado fez um excelente trabalho! mas a futura avenida dos aliados merecerá um artigo nosso em breve.
já o helder pacheco, deixa-nos sempre um pouco desconfortáveis, nós até nos esforçamos por gostar daquilo que ele diz, mas não sabemos bem o que se passa... o casal foi, antes do astoria, um café que substituiu um banco. o helder devia saber isso pois é num quarteirão da porto vivo, onde ele é consultor!
abraços de admiração, desta equipa ao dispor, ssru

mfc disse...

Vou passar por lá para "ver" realmente!
Um abraço.

Teófilo M. disse...

Vale a pena lá ir. O preço é um bocadito europeu, mas...

meirelesportuense disse...

O Astória virou Banco e voltou agora a ser Astória...Eu era muito miúdo quando lá entrava pela mão do meu avô...Saía em frente, primeiro do eléctrico que ora subiu, ora desceu Santo António, assim como depois do tróleicarro número 33, ou dos autocarros que iam e vinham da Madalena e Valadares.
Era um café pequeno, airoso, com várias entradas, muita luz e desníveis de pisos e uma excelente vista para a Praça da Liberdade e Câmara do Porto e de Almeida Garret ou Estação de São Bento...

C.C. disse...

Fui hoje ao Astória. A primeira impressão foi favorável; depois nem tanto; confusão de empregados e necessidade de interpelar um deles com aspecto de chefe para poder fazer o pedido; doutra forma, ninguém me ligava e éramos cinco.
Depois foi mau; não havia carta e com pouca elegância mandaram-me ir ao balcão escolher, sem facilitar preços.
Depois trocaram os pedidos e o mesmo se passou com outra cliente.
Finalmente apresentei os meus reparos, verbalmente, e agora, sim, o funcionário tentou explicar o porquê dos desaires com a velha desculpa de que estão a começar.
É claro que assim, começam mal e é pena.

alfacinha disse...

as fotografias têm um charme atraentes
cumprimentos de Antuérpia

C.C. disse...

É claro que o meu comentário foi um desabafo, porque não queria que tivesse sido assim. De resto não poderia estar mais de acordo com o projecto e a forma como foi realizado; e senti uma nostalgia bem agradável dos tempos dos Cafés no Porto.
Há outros que merecem o mesmo carinho: o Rialto, Imperial.

Carlos Romao disse...

C.C.,
é pena que assim seja. Sei que Pilar Monzon, a directora do hotel, era, há meses, leitora deste blogue. Pode ser que veja aqui o seu reparo e corrija o que está mal.

C.C. disse...

E não é que me palpitava isso?

Lm disse...

sendo eu apreciadora de recuperações que se mantenham fiéis à traça e espírito original dos edifícios acho esta uma parolada de todo o tamanho...pior que não ter carta ou o atendimento desastrado, é mesmo ter luz de talho no tecto.

Cristiano Ferronato disse...

O Porto foi uma das cidades com a mais bela arquitetura que conheci no mundo. A praça central onde esta o prédio da Câmara da cidade apreciada num belo dia de inverno é de se apaixonar. Parabéns aos construtores de tão bela obra de arte que é o Porto. E nós brasileiros nos orgulhamos de ter esta beleza ligada a nossa História na figura de D. Pedro um portugues de nascimento e brasileiro e portuense se coração.

Cristiano Ferronato disse...

O Porto foi uma das cidades mais belas que conheci em todo o mundo. Nunca me esqueço da beleza que é a praça onde esta localizada a Camara da cidade, vista num dia de inverno, é uma beleza que até hoje me emociona meu coração palpita de lembrar meus passeios por tão belas ruas. O Porto não é apenas um cidade é uma obra arte construída por seu povo guerreiro. Como brasileiro me sinto orgulhoso de ter tão bela escultura arquitetonica liga a nossa história atraves da figura de D. Pedro, que nasceu em Lisboa, mas foi brasileiro e portuense de coração.

Menina Marota disse...

Ainda não fui lá. É difícil arrancarem-me da orla maritima para o centro da Cidade. Mas, uma tarde destas, prometo apanhar o combóio, sair em S. Bento e ir lá... é que viajar de carro para o centro da Cidade já deixou de ser um prazer para mim!

Bela foto.

Laranja Cor-de-Rosa disse...

Fui o mês passado e gostei muito! A ver se aquela área do Porto (re)começa a ter a devida atenção dos turistas, mas, pricipalmente, de nós portuenses!!