14 de fevereiro de 2016

Dias de chuva

7 comentários:

Duarte disse...

Amigo, é o que nos faz falta aqui, que não chove!
Uma imagem tradicional da nossa terra.
Abraço

Carlos Romao disse...

Pois nós por cá, Duarte, estamos com água pela barba. Não pára de chover.
Abraço.

João Menéres disse...

Quem sai com estas cargas de água e com as rajadas de vento assim ?
- Nem os pés saíram de casa !

Um abraço.

carcamano disse...

Esse casario lembra muito algo em Salvador/BA ou Rio de Janeiro/RJ. A colonização portuguesa deixou seu legado em terra brasilis...

Duarte disse...

Mas ajuda a criar imagens assim, que tão bem sabes captar. Obrigado.
Abraço

Professor Pedro A. C. Teixeira disse...

Caro Carlos Romão.

Abaixo lhe envio uma parte da música “Meu Caro Amigo” do grande compositor e interprete Chico Buarque de Holanda, um homem sempre a frente de seu tempo, que nos anos escuros da Ditadura Militar, ainda nos anos 60 passava suas mensagens em forma subliminar sobre os mais duros anos de Brasil, tolhido por uma ditadura de direita que aniquilou com os sonhos, com as liberdades e com milhares de vidas. Durante esse período fiquei vário anos no Exército e vi muitas coisas horripilantes.

Meu caro amigo me perdoe, por favor,
Se não lhe faço uma visita
Mas como agora apareceu um portador
Mando notícias nesta fita
Aqui na terra estão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock’n roll
Uns dias chovem noutros dias bate sol,
Mas o que eu quero é lhe dizer...
Que a coisa aqui está preta.

Dia 11, passado completei meus 70 anos, e desde o fim da Ditadura Militar não via uma situação tão grave no Brasil. Grupos radicalizam, o ódio permeia a sociedade, manifestações cada vez mais cheias de ódio, familiares e amigos rompem relações e a esquerda está convicta que se houve uma tentativa de golpe reagirá em uma luta fraticida. Espero que não aconteça, a começar que os movimentos promovidos pela direita radical, em sua maioria estão pessoas de todos os matizes políticos e que não querem golpe e sim uma limpeza na vida política brasileira, pois a corrupção permeia todos os partidos nacionais com exceção de quatro partidos de esquerda, o Partido da Classe Operária, o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados, O Partido Socialismo e Liberdade e o velho e combativo e quase centenário Partido Comunista Brasileiro, o resto está envolvido dos mais escandalosos atos de corrupção. Um fato novo que dá certo alento é que grande parte de pessoas que defenderam e fizeram parte da Ditadura Militar, começaram nos últimos dias a se posicionarem contra o Golpe, defendendo a Democracia.
Meus filhos, minha mulher e eu estamos posicionados contra o Golpe, mas infelizmente a direita raivosa tem medo das urnas.
Um caso interessante, nos EUA, o resultado das Urnas chega levar meses como aconteceu em passado recente, já aqui no Brasil em poucas horas sai o resultado, pois cá nós usamos urnas eletrônicas que dão o resultado imediatamente, mesmo tendo o eleitorado pulado de 135.804.433 eleitores nas últimas eleições para 141.824.607 eleitores aptos agora. Em muito locai há as urnas itinerantes, em regiões ribeirinhas na Amazônia Legal. Mesmo assim em questão de poucas horas os resultados estão prontos.
Digo isto, pois vendo a “tranquilidade” desta foto enevoada, fico a pensar o quanto está revolto o momento político brasileiro.
Perdoe-me o desabafo, mas gostaria de estar em uma dessas casas tão calmas ao largo deste maravilhoso rio.
Um grande e fraterno abraço a ti e a todos os portugueses.

Carlos Romao disse...

Caro Pedro A. C. Teixeira

Obrigado pela música que é sempre agradável de trautear. Essa, e outras músicas de Chico Buarque, é muito popular em Portugal. Creio até que foi escrita para o dramaturgo Augusto Boal, quando este se encontrava exilado em Lisboa sem notícias dos amigos que estavam no Brasil. Pena é que se tenha tornado tão actual.

Nós por cá, acompanhamos o que se passa no Brasil porque há uma relação afectiva dos portugueses para com o vosso país. Hoje chamou-me a atenção uma notícia que anunciava uma reunião dos adeptos do golpe em Lisboa nos próximos dias 29 e 30, numa tentativa de legitimação internacional da destituição da presidente Dilma, como pode ler aqui: http://bit.ly/1UHPo6R

Faço votos de que prevaleça o bom senso. A democracia, não sendo um regime perfeito, é de todos o menos mau, o único que possibilita soluções de não violência para a resolução das crises políticas. A oposição terá de esperar pelo período eleitoral para que sejam os cidadãos a escolher quem deve governar.

Grande abraço.