9 de abril de 2017

Carmo e Carmelitas


A imagem demonstra a justeza da decisão de demolir os gaiolos metálicos que existiram, durante alguns anos, no lugar das esplanadas do Carmo, local que um vereador municipal designou como a ágora portuense, ao garantir o desaparecimento daquelas construções espúrias que tanta polémica causaram. Ao fundo, pode observar-se a Igreja dos Carmelitas Descalços (1619), cuja sobriedade clássica contrasta com a vistosa decoração rococó da fachada da congénere dos Terceiros do Carmo, de 1756.

Clique na imagem para a ver maior.

1 comentário:

Professor Pedro A. C. Teixeira disse...

Bom dia amigo Portuense,Carlos Romão. Com grata satisfação venho novamente visitar-te, não apenas para dizer que esta imagem nos faz viajar no tempo, ao belo e parece-me tranquilo, já que a Igreja é um verdadeiro monumento histórico, artístico e lindo, emoldurada por uma paisagem belíssima e vendo as linhas dos elétricos me faz voltar ao tempo de infância e lembrar que minha Pelotas teve nessa época esse serviço, lembrando que aqui chamamos os elétricos de bondes, cuja a utilização chegou, em Porto Alegre até o início dos anos 1970 e muitos os utilizei. Hoje se constroem "aeromóveis", elétricos em linhas suspensas,modernos, silenciosos e confortáveis, o que não dá o mesmo requinte dessas épocas românticas mas nos leva ao moderno e para muitos, surpreendente. Porém este comentário tem o fim precípuo de avisar ao caríssimo e cordial amigo que há em meu "blogue", no Post sobre o "Acordo Ortográfico - O Futuro que nos Espere", um comentário ao amigo endereçado, o que faz de meu espaço não só um meio de externar minhas pessoais opiniões, como o torna um cantinho de convívio entre pessoas distintas, o que muito me apraz. Com um grande abraço despeço-me de tão caro amigo da bela e histórica Porto. Portugal.