6 de Novembro de 2005

Tableaux vivants em Serralves





Os tableaux vivants consistiam na recriação de pinturas, ou de quadros do imaginário colectivo, com personagens que se mantinham imóveis e calados. Perdida a importância que tiveram como meio popular de diversão, antes do advento da rádio, do cinema e da televisão, os tableaux vivants continuam presentes em algumas encenações de carácter religioso, nos homens-estátua que a cada passo encontramos nas ruas das nossas cidades e - porque não? - no cinema de Peter Greenaway.
A exposição patente em Serralves traz, no entanto, outra abordagem contemporânea.
Nos trabalhos ali expostos fazem-se interagir técnicas como a pintura e o vídeo ou a escultura e o vídeo, explorando os conceitos espaço/tempo e mobilidade/imobilidade.
Entre outras, há duas obras muito interessantes de Rui Toscano realizadas para ecrã plasma, em que «o movimento real é quase imperceptível no contexto de uma imagem fixa». Representam o Rio de Janeiro e São Paulo «surgindo entre a reminiscência do postal turístico e a objectividade inexpressionista de um registo fotográfico». A não perder.

5 comentários:

Mendes Ferreira disse...

boa noite fazedor de "imagens". bjo.

Malae disse...

Serralves! Que saudades de lá ir! E que bom é vir aqui aprender contigo!=)

Beijinhos grandes.
Malae************

1entre1000's disse...

De facto ja tinha, posto na minha lista de idas... bom post... como sempre!!!

amie disse...

por acaso ri-me a ver aquela primeira instalação da cara!:)

naosoueuéaoutra disse...

esse rosto aí dilatado por alguma visão, deve ter sido feliz por um momento.. o seu! posso sonhar o seu espanto no olhar como se tivesse comido o mellhor chocolate do mundo.

um abraço.