23 de abril de 2010

A fisionomia de Nicolau Nasoni



Há um retrato a óleo na entrada da torre dos Clérigos que nos é apresentado como sendo de Nicolau Nasoni, o arquitecto toscano que veio de Malta para o Porto em 1725, com o encargo de pintar o interior da Sé do Porto e por cá ficou, marcando de forma singular, com a sua arte, a fisionomia da cidade.

Sabe-se muito sobre ele, com quem casou, quantos filhos teve, onde viveu e trabalhou. Também se sabe que não se fez cobrar pelo projecto da igreja e da torre prodigiosa, e que acompanhou a sua construção, dedicadamente, ao longo de décadas, tendo como contrapartida, apenas, a entrada para a Irmandade dos Clérigos Pobres.
Morreu sem haveres no ano de 1773. Sabe-se também que, a seu pedido, está sepultado na igreja dos Clérigos, mas é corrente não saber-se onde, apesar de um autor afirmar estar o túmulo de Nasoni na pequena cripta da igreja, junto de outro onde repousa um cardeal.

Quanto à fisionomia do arquitecto também persiste a incógnita. Se, para alguns autores, o quadro que revelaria Nasoni terá desaparecido, para outros a figura ali representada não é a dele por exibir anacronismos no vestuário. Para outros ainda, trata-se sim de Nicolau Nasoni, mas num retrato póstumo.

__________________________________________________

ADENDA
23Março2018

Sobre o quadro acima, o historiador Francisco Queiroz publicou no Facebook o seguinte texto:

O falso Nasoni

A Internet tem destas coisas: facilita a pesquisa histórica, colocando ao dispor de todos cada vez mais fontes e bibliografia, mas também induz o facilitismo e dissemina de modo descontrolado os resultados desse mesmo facilitismo, eternizando erros.

Vem isto a propósito do retrato a óleo que alguém um dia viu no edifício da Irmandade dos Clérigos e, sem qualquer fundamento e sem ter sequer em consideração que representa claramente um burguês do segundo quartel de Oitocentos, supôs que representasse a efígie do célebre arquitecto setecentista Nicolau Nasoni. Ao longo dos últimos anos, tenho vindo a corrigir e a chamar a atenção para publicações que incluem o dito retrato como representando Nasoni. Contudo, o erro disseminou-se e sedimentou-se de tal modo que o suposto retrato deste arquitecto do período barroco está já fixado no próprio espaço público, mais concretamente num mural que representa grandes figuras ligadas ao Porto, situado na esquina da Rua do Bonjardim com a Rua Gonçalo Cristóvão.

António da Cunha Barbosa - o verdadeiro retratado - viu-se assim inusitadamente guindado à categoria de um dos mais ilustres portuenses, apenas porque, como era muito dado a pertencer a irmandades e a exercer nelas a virtude da Caridade, mereceu que se lhe pintasse o retrato, retrato esse que alguém, na sua ignorância, achou que poderia representar Nasoni. É possível que o erro já não seja corrigível e passemos a ter em breve ainda mais publicações que mostrem esta faceta mistificada de um Nicolau Nasoni vanguardista, vestindo roupa que, na sua época, ninguém sequer ainda usava. Mas também pode ser que algum "grafiter" apreciador da verdade histórica queira caridosamente fazer justiça ao caritativo António da Cunha Barbosa e, no referido mural, coloque o nome correcto do retratado.

3 comentários:

pbl disse...

Este Nasoni parece o Funes

Carlos Romao disse...

Assim gordinho?

pbl disse...

Nem tanto, mas é dar-lhe mais uns anitos.