8 de outubro de 2010

Dois banqueiros da Rua das Flores





António Coimbra & Irmão, Banqueiros
e L.J. Carregosa e Cª. Lda., são dois indicadores da importância que a Rua das Flores teve outrora, rua onde a Misericórdia do Porto e a Casa da Companhia, símbolos de poder, coexistiram, a par de residências nobres ou burguesas, com mercadores, joalheiros, ourives e banqueiros.

Do primeiro, desapareceu recentemente a inscrição gravada na pedra da fachada do nº 308, na Rua das Flores. Era um grafismo de época, dourado, muito interessante, que foi levado pela reabilitação do quarteirão Mouzinho-Flores. Pode ser visto no blogue aqui ao lado, A Cidade Deprimente.

Quanto ao segundo, permanece no nº 278 daquela rua. A L.J. Carregosa e Cª. Lda., foi uma casa de câmbios, fundada em 1833, que está na origem do Banco Carregosa. Não tem grande actividade, mas o banco mantém-na de portas abertas prestando informação bolsista aos clientes, digamos, por uma questão de prestígio. Resta saber por quanto tempo se manterá assim e, também, o que a Sociedade de Reabilitação Urbana Porto Vivo, tem reservado para aquele espaço.

5 comentários:

Margarida disse...

...tão bonito..., deuses, tão bonito!

Luis disse...

Realmente é um edifício lindo.
Espero que seja preservado para bem da Cidade,tenha o destino que tiver.

Anónimo disse...

Há tempos falei-te na Rua das Flores como zona de interesse da cidade...dignas das tuas fotos as varandas em ferro forjado...para quando?
Beijo, theodora

Carlos Romao disse...

Para um dia destes, Theodora :)

Gabriel Silva disse...

Dessa casa bancária António Coimbra & Irmão, pode aqui ser visto um cheque:
http://tm1950.no.sapo.pt/AntonioCI%201.JPG