19 de outubro de 2010

Um jipe, dos autênticos, nos Clérigos



Fiel como um cachorro, forte como uma mula e ágil como um cabrito. Foi com esta expressão que um jornalista definiu, um dia, o desempenho do jipe Willys durante a II Guerra Mundial. Começou a ser fabricado nos Estados Unidos em 1941 e em 1944 passou a integrar o exército português. Trinta anos depois, aquando do fim da guerra colonial, ainda havia inúmeros destes veículos, versáteis e resistentes, nas ex-colónias portuguesas. O que me surpreendeu, há dias, foi ver este exemplar do esplêndido Willys, que terá setenta anos, a descer, ágil como um cabrito, a Rua dos Clérigos.

6 comentários:

McBrain disse...

Muito bem sacada,a fotografia! E sim, é um belo carro!

J.Ferreira disse...

Na verdade é um Jeep fantástico! Tenho a prova nos dois anos de serviço militar,nas matas do Uíge em Angola.

Rui Valente disse...

Esse é o Jeep, o genuíno, o "puro-sangue" dos todo-o-terreno, o único de que gosto.

Um abraço Carlos!

Hugo Martins disse...

Que coincidência, os rapazes que desciam satisfeitos são meus amigos! Para além deste, têm outro igual. Existem muitos "tolinhos" que os conservam originais (alguns com a 12.7mm), e que até vão às concentrações na Normandia, aquilo a que realmente não estamos habituados, é a vê-los circular por gozo nas ruas... Obrigado pela partilha e parabéns pela paixão.

grouchomarx disse...

Carlos Romão essa sua foto dos 2 menássos no willys é épica, bem me lembro dela (e já foi tirada há qeue tempos).
grouchomarx

Carlos Romao disse...

É verdade, Ricardo, a foto já tem uns dois anitos e tal.