18 de dezembro de 2010

Ponte da Arrábida candidata a monumento nacional



Um projecto para a construção de um edifício de grandes dimensões na envolvente da Ponte da Arrábida, está na origem da decisão da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto apoiar a candidatura da ponte a monumento nacional. A intenção é proteger aquela elegante estrutura, que irá completar 50 anos em 2013, do impacto visual do prédio projectado.

Veja aqui a manifestação de apoio da FEUP e aqui um abaixo-assinado com as razões invocadas para a classificação.

4 comentários:

th disse...

Olá Carlos, um abraço antes de mais.
Vi ontem, creio na RTP memória um programa de José Hermano Saraiva sobre o engenheiro que também a construiu, Edgar Cardoso, muito interessante.
Continua a ser a ponte com um arco maior do mundo, ou antes quase, só ultrapassada por um metro por uma construida por um japonês.
Ele fez tb um projecto para a ponte Salazar, hoje 25 de Abril, que não foi aceite, em vez disso compramos um projecto à América...coisas

Carlos Romao disse...

Um abraço, Th.

C.C. disse...

Duas obras de arte; a ponte e a fotografia.
Um abraço de Boas Festas

nacasadorau disse...

Amigo,

Sou do tempo da sua inauguração!
Não vejo qualquer beleza nessa ponte, tirando o detalhe do tamanho do arco!
Mas não me oponho :)))

Feliz Natal

Feliz Natal

Chegou o Natal

Chegou Natal
Sem estrondos,
Sem alaridos
Nem algazarra …
Simplesmente chegou.
Com alguma timidez,
Envolto no acanhamento de um tempo
Que se faz ligeiro,
Embrulhado em mantos
Tecidos de muitas e cores.
Mas o Natal chegou.
Sem a intimidade de ontem,
Mas com a alegria das festas
E manifestações de “causas e coisas”
Lembrando a época, um tempo
O teu regaço.
Mas o Natal chegou,
Sem a solidariedade sábia de ontem,
Mas com a profusão de vontades
Voluntariosas
Briosas
E tão caprichosas…
Mas o Natal chegou
Com os sabores da tradição
Em mesa posta,
Toalha branca, alvura
Rabanadas, bolos de menina
Coisa fina.
Sonhos doces, formigos e mexidos
Em forno lento
E ao relento das vontades
Alicerçadas no tempero da solidariedade.
Bacalhau, batata, couve da horta
Agitação garrida,
Mimosamente tecida…
Desejada em cada porta.
Bolo-rei, filhós, vinho quente
Amor presente
Em cada rosto,
No mimo posto
Na tua chegada.

Mas o Natal chegou!

Natal de 2010
Maria José Areal

Beijinhos
.