1 de outubro de 2012

A cidade vista do rio

A abordagem na rua é directa. Propõe um «mini-cruzeiro» pelas seis pontes do Porto e ainda a possibilidade de avistar a Foz e fotografar as aves da Reserva Natural do Estuário do Douro, com uma condição, a de dispor de uma máquina fotográfica «com uma boa objectiva». Tudo por dez euros.

No final da viagem de cinquenta minutos, na barcaça apinhada de turistas curiosos, verifica-se que há duas premissas não cumpridas. As pontes cruzadas são cinco; a sexta ponte, a do Freixo, é avistada à distância quando o barco inverte a marcha logo a seguir à Ponte de S. João, em Quebrantões. Quanto às aves da Reserva Natural – que não esperávamos ver, porque conhecemos a realidade – residem demasiado longe da Afurada, comunidade piscatória diante da qual a embarcação dá de novo a volta em direcção ao ponto de partida.

O passeio, contudo, vale a pena. Deslizar pelo Douro diante do Porto e de Gaia era uma possibilidade quase inacessível há alguns anos, quando começou este tipo de «mini-cruzeiros» destinados a turistas, mas recomendáveis aos habitantes da região, nem que seja por puro laser, como se demonstrará aqui durante os próximos dias.

I - Do cais de Gaia a Quebrantões

A Ponte Luís I (1888).

O casario dos Guindais e uma parte do que resta da muralha medieval do Porto.

A escarpa e os admiráveis plátanos da Alameda das Fontainhas.

A ponte Maria Pia (1877) e a Ponte de S. João (1991).

A Ponte do Freixo (1995).

1 comentário:

João Menéres disse...

Perfeito o texto pelo realismo que transmite em todos os sentidos !

Um abraço.