24 outubro 2008

Janelas do Tempo - I

Porto, Esquinas do Tempo é o título do catálogo de uma exposição de fotografias do Grupo IF, que ocorreu nos primeiros meses de 1982.

O grupo recolheu fotografias da cidade, tiradas entre o final do século XIX e a primeira metade do século XX, e fotografou os mesmos locais, expondo depois as imagens, antigas e modernas, lado a lado, no Museu Nacional de Soares do Reis.

O que me proponho publicar, aqui, é um exercício paralelo ao que foi feito há 26 anos - revisitar locais fotografados - a que chamarei Janelas do Tempo, numa alusão aos rectângulos fotográficos de luz formados no monitor, que nos permitirão comparar o passado com o presente.

A Praça de D. Pedro

O local revisitado hoje é a antiga Praça de D. Pedro, actual Praça da Liberdade, vista pelo olhar de Domingos Alvão. A fotografia é anterior a 1915, ano em que começou a demolição do edifício dos Paços do Concelho - ao fundo na imagem - para abertura da Avenida dos Aliados.





Se da praça daquela época restam hoje, apenas, o prédio à esquerda e a estátua do Libertador, há semelhanças e pormenores muito interessantes em ambas as fotos. Observem-se as parecenças dos toldos e do arvoredo; e a posição do lampião de iluminação pública. E leiam-se as duas placas afixadas no edifício. A que está na varanda, no primeiro andar, anuncia o Consultório Dentário de um tal P. Alexander, Dentista Licenciado. A outra, mais adiante, sobre uma porta no rés-do-chão, diz-nos que no local da actual Cervejaria Sá Reis já se bebia Cerveja Gelada a 40 Reis o Copo, no início do século passado.

06 outubro 2008

A sombra da Igreja de S. José das Taipas...



... estampada na ala poente da vetusta Cadeia da Relação, no final do suave e luminoso dia de ontem, 5 de Outubro de 2008.

01 outubro 2008

A Outra Face da Cidade Surpreendente...


... regressou à vida. Há por lá imagens da fachada do antigo Cinema Águia d'Ouro e das Escadas da Vitória.

30 setembro 2008

28 setembro 2008

25 setembro 2008

18 setembro 2008

Bolhão, o dia zero

O Mercado do Bolhão está hoje aqui, no dia em que o acaso quis que caísse por terra uma tentativa de transformar o velho reduto tripeiro numa miragem de si próprio, numa espécie de Portugal dos Pequenitos dos mercados.



Os problemas do Bolhão, no entanto, mantêm-se e têm um nome: decadência. É esse declínio que as imagens pretendem retratar enquanto mostram, também, a dignidade e a autenticidade do velho mercado.

O que ele necessita é que o reabilitem como mercado de frescos sem, como já alguém disse, lhe atirarem com milhões de euros para cima. O Bolhão, para sobreviver, não precisa dos tiques do novo-riquismo nacional para nada.























Adenda 25 de Setembro

DIVULGAÇÃO

Caros/as Bloggers,

Temos o prazer de enviar em anexo convite para o evento do próximo Sábado, dia 27 de Setembro, 16:00H, no Salão Nobre do Ateneu Comercial do Porto.

Durante o mesmo será entregue, pela Plataforma de Intervenção Cívica do Porto, a Proposta de Reabilitação do Mercado do Bolhão.

Será ainda apresentado, às 17:00H, o documentário em vídeo "Cidade com Memória" que retrata a Cidade do Porto e em particular o Mercado do Bolhão através de mensagens em vídeo de diversas personalidades do País, como:

Cineasta Manoel de Oliveira
Arquitecto Siza Vieira Maestro

Pedro Osório Músico Rui Veloso
Actriz Simone de Oliveira
Escultor José Rodrigues

Solicitamos também a divulgação deste evento no V/ Blogue.

Agradecendo desde já a V/ presença,

pela Plataforma de Intervenção Cívica do Porto

Paula Sequeiros

15 setembro 2008

O retiro das garças-reais...

... em Lordelo do Ouro, Porto.

Conta-me quem sabe que há vinte anos não havia garças no Porto, e que as pobres aves terão vindo parar aqui porque os lugares onde viveriam e cresceriam naturalmente, têm vindo a ser destruídos pela contínua pressão humana.

A verdade é que há uma colónia de garças-reais que faz parte da paisagem do estuário do Douro. A maioria anda pelo Cabedelo mas há um bando que pesca e descansa numa zona do rio pouco profunda, diante do jardim do Cálem, em Lordelo.





Ontem, como a manhã estava temperada e luminosa e era Domingo, a actividade humana, em terra e no rio, levou dezoito dessas garças – contadas por mim - a erguer as asas e voar... para o topo de dois respeitáveis eucaliptos que, naturalmente, as acolheram.