3 de julho de 2007

Exemplar



A parte alta da moderna Rua de Sá da Bandeira está belíssima. Moderna porque a arquitectura do betão, utilitária e cosmopolita dos anos 50 do século passado, marca a diferença da baixa granítica, que lhe é anterior. Belíssima porque a dupla de arquitectos Alexandre Alves Costa e Sérgio Fernandez, em 2001, manteve a calçada de calcário e basalto, reflectora de luz, e resolveu arborizá-la, permitindo que, neste início de Verão, colhamos os frutos de tão acertada decisão.

12 comentários:

Jorge disse...

Boa foto.

Álvaro Mendonça disse...

Muito atento, como sempre!

Agua disse...

É verdade que fazem falta as árvores nas cidades, não tem por acaso uma fotografia dessa mesma rua sem as árvores?
Talvez pudésse mostrar a abissal diferença enter um passeio e o outro :)

antonio disse...

Árvores parece que ainda vão plantando nas requalificações, embora algumas desadaptadas. Agora jardins fora com eles que só dão trabalho, o péssimo exemplo foi o que fizeram nos Aliados.

Cumprimentos, antonio

JRL disse...

Olá Carlos Romão,

Boa fotografia. Bjs

San disse...

Ainda bem! Enquanto a maioria dos municípios promove o abate de árvores ou podas que são antecâmaras de abate, ainda há quem defenda a qualidade de vida das pessoas e a beleza dos espaços públicos!

rps disse...

Obrigado, Carlos.
Bela rua. E representa 20 anos da minha vida - quase metade...
O pior é que me vão roubar a rua... Parece que vamos mesmo mudar de casa - e para a margem esquerda. F...-se!

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Felizmente ainda há arquitectos que percebem o quanto a correcta escolha (na espécie e no número de exemplares)das árvores, pode beneficiar uma rua, realçando o trabalho humano da criação...que o tempo as proteja da ignorância e incompetência das moto-serras.

Como a mim já me amputaram quase todas as árvores da minha infância, já aprendi a não ter grandes ilusões...aprendamos a gozar das sombras enquanto nos for permitido.

HM disse...

Caro rps, quase que me dá vontade de lhe pedir que me ceda a casa que vai deixar para ir para lá eu morar... Vivo agora na margem esquerda, mas passei os primeiros 22 anos da minha vida muito perto desta rua que o Carlos nos mostra agora. De modo que o sonho supremo da minha vida é poder voltar para lá. A margem sul é horrível. :-( Lamento por si.

Mas deixando-me de divagações, que o que interessa aqui é a Rua Sá da Bandeira: ainda me lembro dela antes da requalificação - demoradíssima... Passei perto de 2 anos sem lá poder ir à vontade. Mas valeu a pena, ficou linda e aprazível para se viver. Ao contrário do que aconteceu nos Aliados.
Um obrigada ao Carlos por me trazer estes pedacinhos da minha cidade.

José Eduardo disse...

Um bom exemplo, sim senhor! Apontamento oportuníssimo. Hajam mais ruas assim no futuro, no nosso Porto. Abraço.

rps disse...

Caro HM... A mudança de casa é a casa de trabalho...
Um abraço!

redonda disse...

Cheguei até aqui pelo Google (andava à procura de fotografias da casa viva) e achei engraçado uma referência ao Funes porque também descobri o seu blog há pouco. Gostei muito de todas as fotografias que aqui vi (apesar de afinal não ter encontrado nenhuma da casa viva...)