26 de setembro de 2009

Concorda com a construção de edifícios nos jardins do Palácio de Cristal?

«Concorda com a construção de edifícios nos jardins do Palácio de Cristal para um centro de congressos?» é a pergunta que um grupo de cidadãos, organizados no Movimento em Defesa dos Jardins do Palácio de Cristal, propõe para um referendo, em que a população da cidade deverá pronunciar-se sobre a intenção da Câmara Municipal do Porto avançar, ou não, com a iniciativa em causa.

Esta acção, que configura um acto de cidadania perfeitamente legítimo, e até saudável, foi considerada, num folheto profusamente distribuído pela C.M.P. porta a porta, como uma tentativa de «desinformar a opinião pública».

Em causa está o desaparecimento do lago existente nos jardins, que se prevê seja substituído por um espelho de água, e a «remoção» (o eufemismo é camarário) de «apenas cinco árvores», segundo a C.M.P.

De acordo com a Associação de Defesa do Ambiente Campo Aberto, que se debruçou sobre o projecto do centro de congressos, a obra implicará o abate de treze árvores adultas e o risco de sobrevivência para outras dezassete. A Campo Aberto é da opinião que «nada justifica a construção de um edifício para congressos com cerca de 2500 m2 num dos mais extraordinários jardins de que a cidade dispõe», apelando ao bom senso da Câmara do Porto, para que altere o projecto e seja coerente com a política de sustentabilidade a que recentemente se comprometeu.

A folha para recolha de assinaturas, que por imperativo legal está aberta apenas a cidadãos recenseados no Porto, está disponível aqui.

5 comentários:

Duarte disse...

Como na distância é-me impossível actuar, que pelo menos seja por este meio que me possa expressar.
Considero que já se cometeram bastante atrocidades, na nossa cidade, como para suprimir o último pulmão.
Há dias estive dando um passeio com uns amigos espanhóis pelo Palácio e ficaram maravilhados com o que viram e escutaram... ouvia-se o silencio às quatro da tarde, e no solar do vinho do porto até nos deu a sensação de que algo anormal passa numa urbe como a Invicta: tudo era quietude e paz.
Fiz mais de cem fotografias no afã de levar tudo comigo, desde as árvores ás rosas de mil cores daquele velho e belo roseiral. No pequeno estanque os nenúfares apenas sobrevivem, ainda que em flor, e os rosais a queixar-se da falta de água, mas esplendorosos nos seus matizes.
NÃO, que não se cometam mais atrocidades!!!

Obrigado Carlos, por permitir-me esta veleidade, pura utopia... e um abraço

Arrastão disse...

Desculpem o abuso. Mas só para informar que o Arrastão está a fazer um inquérito às intensões de voto nas próximas autárquicas em 38 concelhos. O Porto é um deles. Se quiserem ajudar a divulgar... Obrigado.

David X disse...

Pela impossibilidade de votar no porto, queria pelo menos usufruir do poder da voz. É mais um atentado desnecessário numa cidade que sofre nas mãos dos interesses privados. Por isso digo CHEGA,BASTA.

Anónimo disse...

Eleição do Melhor Filme de 2009

Tal como tem sido hábito todos os anos, vamos realizar mais uma vez a votação para o Melhor Filme do Ano, este ano com 60 filmes em competição. Neste ano, não haverá votação para a Melhor Animação do Ano.

Vote em

http://trailersblog.blogspot.com

lenço de papel; cabide de simplicidades disse...

Já assinei, mas nunca mais soube como está esta questão. Só privatizar! Não há vergonha nem amor à terra, mas o pior é que o povo que vota nestes gerentes não
liga 1+1=2. Não vê que ao votar nesta direcção que é a mesma que entrega o Palácio ou o Rivoli ou, de caminho, a Rua de Stª Catarina ou até a própria Câmara a privados. Em última análise o povo é o responsável.