2 de setembro de 2009

Uma ponte tributária das pontes metálicas do Porto

A escassos quilómetros do local onde o rio Douro começa a desenhar a fronteira entre Portugal e Espanha, existe uma ponte em tudo parecida com as pontes metálicas do Porto.



A Ponte de Requejo - nome do político que impulsionou a construção da estrada onde está inserida - liga as aldeias de Villadepera, em Sayago, com Pino del Oro, em Aliste, na região de Zamora. Foi projectada por José Eugenio Ribera (1864-1936), um nome grande da engenharia espanhola que viveu na juventude em Portugal, numa altura em que o caminho-de-ferro conheceu um grande desenvolvimento no norte do país.

Aqui, Ribera terá conhecido as pontes do Porto. A placa informativa junto da ponte assim o sugere, ao informar-nos que aquela obra de engenharia foi inspirada na «arquitectura de Eiffel», referindo-se, provavelmente, à Ponte Maria Pia que, como sabemos, foi projectada por Théophile Seyrig (1843-1923) e construída pela empresa que este engenheiro fundou, em 1869, com Gustave Eiffel. Seyrig, que continua a ser referido erradamente como discípulo de Eiffel, foi também o projectista da Ponte Luís I, construída pela empresa belga Société de Willebroeck.



Entre a apresentação do projecto da Ponte de Requejo, em 1897, e o início da sua construção decorreram cinco anos. Aos primeiros concursos públicos para a execução da ponte não apareceu nenhuma empresa, devido às dificuldades que o projecto apresentava. Finalmente, em 1902, a obra arrancava para estar concluída apenas em 1914, ano da sua inauguração.

Apesar de ser mais pequena do que as congéneres do Porto, a ponte é uma construção ousada, notável com os seus 120 metros de vão, 190 metros de comprimento do tabuleiro e o peso de 450 toneladas de aço. Quando foi inaugurada estava 90 metros acima do nível da água do Douro. Na época foi considerada como um marco da engenharia espanhola da construção de pontes. Hoje, devido à falta de manutenção, a sua estrutura apresenta algumas fragilidades, o que não tem impedido que continue a cumprir a sua função de facilitar a travessia do Douro na região mais pobre e deprimida de Espanha.

2 comentários:

Gabriel Silva disse...

Caro Carlos,

A obra da Ponte D. Maria é toda ela descrita tecnicamente e com belas imagens no magnifico livro «Notice sur le pont du Douro, a Porto» escrito por G. Eiffel, editado em Clichy, França, em 1879.

Sobre a questão Eiffel versus Seyrig pode-se ler o seguinte:

«À cette ocasion, le roi remit lui-même à M. G. Eiffel les insifgnes de Comendador de l'ordre de la Conception.
Les collaborateurs de M. G. Eiffel ont eté:
MM. T. Seyrig et H. de Dion, pour l'etablissement des calculs et du project; et MM. E Nouguier, J. Collin et Angevére, pour le montage et les travaux sur place».

A publicação referida pode ser lida e copiada na íntegra em:
http://www.fc.up.pt/fa/index.php?p=nav&f=books.0253.0

Carlos Romao disse...

Caro Gabriel,
obrigado pela dica, que é preciosa.