25 de setembro de 2009

Prenúncio



Como dois míticos amantes
o Outono e a Cidade enfrentam-se
no esplendor das primeiras manhãs,
com as folhas crestadas voando
do alto. O frio anunciado esconde-se
ainda no leve arrefecimento das
varandas e ardores súbitos diluem
as nuvens, no princípio das tardes;
breves estios destinados
à intransitiva beleza do malogro,
ao triunfo matricial da sombra.

Inês Lourenço

1 comentário:

Duarte disse...

Um grande poema para embelezar esta bela imagem da nossa terra.
O outono, essa fonte de inspiração.

Um abraço