15 de dezembro de 2009

Praça dos Leões



Das bocas dos leões pode jorrar a água,
das suas pestanas pode tombar o rímel,
dos seus dedos anéis sobre os cinzeiros,
da minha boca a língua
a comer-lhe o baton,
dos meus braços as mãos, circunscrevendo-a.

x

Estamos encerrados numa praça
cercada de armazéns, igrejas, austeros edifícios,
comércios de remotíssimos parentes
de trigo enchendo os navios para Cuba,
arruinando-se.

x

Sucede isto no Porto,
uma cidade onde os destinos pesam muito
e as quimeras de bronze só mitigam
a sede secular de eternas pombas.

x

Nunca, nesse lugar, as bocas se encontraram.

António Rebordão Navarro

1 comentário:

Martinha disse...

"ai ai ai ai, Ciências eu te adoro!
contigo estarei, enquanto estudar.
quando te deixar eu choro.

"ai ai ai ai, Sofrem corações!
São lágrimas, mágoas e tantas saudades,
São as águas dos Leões.

"


*