4 de outubro de 2005

A ponte que Eiffel construiu



O mito que atribui a autoria do projecto da Ponte Maria Pia a Gustave Eiffel, sofreu recentemente um novo revés. Desta vez foi uma voz autorizada a repor verdade, o historiador Lopes Cordeiro que, por ocasião do lançamento do livro «Ponte Maria Pia - a obra-prima de Seyrig», de que é co-autor, afirmou, segundo o Jornal de Notícias:

«O arco da ponte é que foi revolucionário e ele deve-se aos cálculos de Seyrig. Todo o resto da Maria Pia foi construído em série e aplicado noutras pontes metálicas. Por isso a ponte é de Théophile Seyrig».

Esta declaração levou-me a procurar uma revista antiga de trinta anos, adquirida a um alfarrabista de Córdoba, onde Mercedes López García, professora de Estética da Engenharia, aborda a obra e a personalidade do autor da famosa torre de Paris, num artigo intitulado «Eiffel, Mito y Realidad».

O texto não pretende desqualificar Eiffel, mas sim colocá-lo no lugar que lhe pertence: o de um excelente construtor e empresário, no sentido mais moderno da palavra. Eiffel sabia cercar-se de brilhantes engenheiros que mantinha na sombra por razões promocionais da empresa que tinha o seu nome. O seu mérito não residia na criação, mas sim na gestão que imprimia às construções e na precisão da execução, graças à técnica de pré-fabricação em estaleiro, tão avançada para a época.



Em 1868, Eiffel conhece Théophile Seyrig, um brilhante engenheiro, com quem constitui uma sociedade em condições altamente favoráveis para si. Quando Seyrig se apercebe das condições desvantajosas em que trabalhava propõe alterar o contrato. Eiffel recusa e rescinde o acordo nove anos antes do fim do prazo contratual. Entretanto Seyrig havia projectado a Ponte Maria Pia, que a empresa Eiffel construiu num curto prazo de tempo. Seyrig vai então trabalhar para a empresa Willebroeck que, com um projecto seu, ganha a Eiffel o concurso internacional para a construção da Ponte Luís I, também no Porto.

O grande êxito de Eiffel, aquele que o tornou popular a nível internacional, foi a torre que tem o seu em Paris. A ideia da torre, contudo, foi de dois dos seus colaboradores: Maurice Koechlin e Emile Nouguier. Eiffel regista a patente em nome dos três e passado algum tempo apressa-se a comprá-la aos seus colaboradores, ficando como único proprietário. Mais tarde assinará o acordo para construção da torre, não no nome da empresa, mas em seu nome pessoal. Construirá a gigantesca estrutura no prazo de 26 meses, sem acidentes mortais. Um verdadeiro sucesso.

No currículo da casa Eiffel constam inúmeras obras numa grande dispersão geográfica. Só na Ásia montou quatro mil pontes pré-fabricadas. A estrutura da Estátua da Liberdade também foi por si construída.

O hábito de assinar apenas contratos que lhe fossem extremamente vantajosos, deixará uma mancha no seu orgulho. O acordo para construção de comportas no canal do Panamá, foi redigido em tais termos que Eiffel acaba em tribunal no ano de 1892, acusado de fraude, de que foi absolvido.

Alguns meses depois retira-se, dedicando-se durante 28 anos à investigação científica.

19 comentários:

monica disse...

mais um excelente post cheio de substância

para nos compensar da sua ausência? obrigada

Funes, o memorioso disse...

Um bandido, esse Eiffel. Ainda por cima pôs a filha a morar no topo da Torre. Um belo apartamento, temos que reconhecer.

Ainda bem que regressou, caro Carlos Romão. A sua ausência desmotivou-me completamente e não coloquei uma só foto no meu blog nestas semanas. Agora já vou ter outra vez a quem esmagar e humilhar com a minha arte insuperável.

Funes, o memorioso disse...

No comentário anterior esqueci-me do :)

Pedro Estácio disse...

FINALMENTE!! Olá Carlos!
A sua demora já estava a ser BEM PROLONGADA! Ainda bem que voltou... pq chegar cá à cidade e... nada já estava a ser uma autêntica frustração! :)

Óptimo post! Não conhecia a história profissional do Eiffel. Muito interessante...

SEJA BENVINDO! :)

Abrç,
Pedro Estácio

TMara disse...

ótima informação. É bom saber. Bom feriado. Bjs e ;)

th disse...

Mas que grande desilusão eu tive...mas como não gosto de obscurantismos, gostei de saber a verdade. É bom encontrar alguém que gosta de fazer estas pesquisas, e sabe como...abraço, th

th disse...

----- The following addresses had permanent fatal errors -----
(reason: service unavailable)
ESTA A MENSAGEM QUE RECEBI AGORA MESMO, TALVEZ QUEIRA REMEDIAR O PROBLEMA. th

rps disse...

Saudações neste regresso, CR, apesar de um - e apenas só um - efeito positivo da sua ausência: a inércia fotográfica que atingiu Funes.

Mas deixe-me que lhe diga que este post tem efeitos perturbadores sobre mim. Não pelas fotos, claro, excelentes, mas pelos factos relatados. É que mexem com as minhas avoengas.

Pois de miúdo ouço dizer que da equipa de Eiffel que se deslocou para Porto para construir a Ponte, fazia parte um conceituado engenheiro espanhol que se instalou no Porto com a mulher.
Por cá a senhora engravidou (do marido, pois era gente séria), deu à luz e morreu, ficando a criança à guarda de uma ama, algures para São Lázaro.
Desconheço o que aconteceu ao engenheiro (afinal, meu trisavô), mas a criança (afinal, meu bisavô) cresceu no Porto e por cá ficou, casou e ajudou a pôr quatro crianças no mundo, uma delas, afinal, minha Avó...

Mas bate tudo certo. Afinal, você diz que "Eiffel sabia cercar-se de brilhantes engenheiros que mantinha na sombra". Provavelmente, o brilhantismo do tal engenheiro espanhol passou para o trineto... :-)

Scorpio_Angel disse...

Bem vindo! Fez cá falta - & excelente "reentré" :)

Nuno Magalhães disse...

Ficou mais solarenga a Blogosfera.
CR voltou a dar sinais de vida.
Com mais um educativo post

Freddy disse...

Grande regresso, sem sombra de dúvida... Já agora gostava q desses um salto ao meu blog e uns posts abaixo estão umas fotografias da Ribeira que acho q vais gostar...

Aquele abraço da Zona Franca

amie disse...

Welcome back!
saudades...

CARMO disse...

A fama é uma coisa por vezes "surpreendente"! Do Eiffel tinha ideia de um engenheiro/arquitecto... nunca de um empresário!
Parabéns pelo regresso!

nelsonmateus disse...

Eiffel ou Seyrig ... pouco importa!
o k realmente importa é k esta obra lhes tenha sobrevivido!
penso eu d k ...

Arlindo do Rego disse...

Este é um excelente blog, por TODAS as razões.

Eu disse isto !
Eu estive aqui !

Voltarei !

Suzy disse...

Excelente pesquisa sobre Seyrig e Eiffel!

É verdadeiramente fascinante conhecer o que está por trás da construção de tão grandiosa obra que enche de orgulho qualquer Portuense!

Obrigada pelo seu trabalho!

∫nês disse...

Estamos sempre a aprender. Gostei :)

Carlos Romao disse...

Quem é Arlindo do Rego?
:)

Funes, o memorioso disse...

"Quem é Arlindo do Rego?"

Um mito urbano. Ninguém pode, com verdade, dizer que sabe quem é Arlindo do Rego.