21 de setembro de 2011

Júlio Resende (1917-2011)

Há uma brutalidade nesta pintura, digamo-lo sem qualquer hesitação; brutalidade que consiste em obrigar-nos sem trégua a pensar que o homem é o mais mortal dos animais, que o seu corpo não cessa de ser corroído pela lepra do tempo, que o esplendor da sua juventude se converte com facilidade na mais grotesca paródia de si próprio, que tudo nele está inexoravelmente votado à morte.

Eugénio de Andrade sobre o painel Ribeira Negra, a revisitar aqui.

1 comentário:

mfc disse...

Um grande homem e um grande portuense.