3 de junho de 2005

Dias de sol

nos jardins do Palácio de Cristal








Referências:

1
«O Palácio de Cristal marcou no Porto a era britânica; a sua influência ríspida, o seu snobismo de colonos cujo espírito às vezes se apura entre o desdém e o fracasso.»
(...)
«Ainda conheci o Palácio de Cristal como o quer ver o Roteiro do Porto, com as naves onde se iam fazer corridas de patins, com um reboar de madeiras que parecia o escalar dos ossos da baleia branca. Era um pouco isso o Palácio: o ventre de um monstro donde se via o mar verde das tílias, onde se expunham rosas em Maio e a pele fumosa da "rainha Cláudia".»
(...)
«O Palácio de Cristal estilhaçou-se para dar lugar ao que se chamou a Calote Esférica, uma espécie de estádio espacial que, de noite, parece uma nave pousada entre o arvoredo, com as vigias iluminadas e tudo.»

Agustina Bessa Luís


2
«No entanto toda a envolvente do palácio permaneceu estonteante, os jardins cobertos de magníficas plantas e sumptuosas árvores; são, ainda hoje, dignas de realce as longas avenidas da entrada decoradas com plátanos e tílias frondosas.»

Porto XXI

11 comentários:

José Alexandre Ramos disse...

não conheci o "Palácio de Cristal", fora demolido ainda faltavam alguns anos para que eu nascesse. mas desde miúdo que visito o jardins do palácio, desde o tempo do saudoso Sofala (um leão, sim!, um leão) até agora, em que sou mais assíduo nesta época, época de caça aos livros. posso parecer preconceituoso, mas depois de conhecer em fotografias o belo Palácio de vidro e ferro, passei a desdenhar do até então indiferente (para mim) mamarracho que a Agustina chama de «nave espacial». e é curioso que ainda há dias, quando lá estive dentro, visitadas as bancas da Feira, fiquei a observar os pormenores do edifício e pensei "que coisa mais feia". podem achar feio o edifício da casa da música, mas este pavilhão Rosa Mota ultrapassa-o, é mesmo feio, desencontrado. já tinha comentado num post anterior: a demolição do palácio foi um dos mais graves crimes contra a história e a paisagem romântica do Porto.

Isabeljcc disse...

Que luz, que poesia. que beleza irradiam as suas fotos.
Parabéns Carlos, tem alma de artista.
Continue, eu vou acompanhando o seu trabalho.
Bj
Isabeljcc

Mendes Ferreira disse...

M A G N I F I C O. tenho de "comprar adjectivos novos" de cada vez que vier ao Porto...talvez adjectivos de cristal para pontuar a luz que aqui nasce e se refaz. sempre diferente. sempre aberta. sempre iluminada. Surpreendente? Não, "refocada!". parabénse obrigada.

tld disse...

Quando estudava na Faculdade de Arquitectura do Porto, tive uma professora que defendia a pena de morte para determinados arquitectos...e o exemplo máximo era a destruição do Palácio de Cristal para a construção de um recinto desportivo (numa altura de euforia nacional em torno do hóquei, penso)em forma de esfera truncada! De qualquer das formas, e sem ironia, este projecto é sem dúvida das melhores obras do dito cujo artista: basta comparar com outros edificios seus - próximos, em Júlio Dinis - como por exemplo o Mota Galiza...

Quanto aos jardins, são do melhor que a nossa cidade tem, e penso que acolheriam de uma forma muito mais agradável a anual Feira do Livro do Porto, que actualmente mantém o seu formato "cinzento e bafiento" com medo de algumas gotas de água primaveris. A Avenida das Tílias (para as barraquinhas) e a Biblioteca Almeida Garret (para os colóquios, debates e programas paralelos) não seriam muito mais adequados para este evento do que um pavilhão desportivo?

Daniel disse...

Excelentes fotos Carlos. O teu "cidade surpreendente" já tem honras de "link" no meu blog. Abraço sentido deste teu colega e futuro jornalista ;)

P.S.- Depois tens que me ensinar a colocar fotos nos blogs. O meu ainda não tem porque ainda sou um "menino" nestas coisas.

Sol disse...

Carlos, o seu blog surpreendeu-me muito e pela positiva. Parabéns!
Uma sugestão! Que tal explorar a área de Campanhã? Pessoalmente considero-a um contraste imenso face o Porto que nos dá a conhecer no seu blog.

Continuação de boa inspiração.

Ana L

Anónimo disse...

Não sou do porto, nunca vivi no porto, mas apaixonei-me por esta cidade no primeiro minuto em que a avistei... impossivel explicar este "amor à primeira vista"... mas para q explicar...basta olhar as fotos,,,e so apetece pegar no carro e voar para os jardins...
fica a promessa demais visitas ao seu blog agora q o descobri:-)

Kraak/Peixinho disse...

Carlos, não é só a cidade que é surpreendente. O teu blog também. Reforço 1 sugestão aqui deixada: explorar a área de Campanhã. Há por lá uns becos e umas ruas sem saída e um emaranhado de traseiras de casas interessantes. É um contraste, de facto.
Abraço

Pedro Estácio disse...

O Palácio de Cristal e dos seus magníficos jardins! Os longos passeios, as longas conversas, ... e tudo o resto. Saudade!

Carlos, mais uma vez de parabéns. Não só pela excelente foto-reportagem, como tb pelas recordações que em mim despertou. Um sincero obrigado!

guevara disse...

Subscrevo a Ana L, faz la uma 'reportagem sobre Campanhã...
queria ver o teu ponto de vista.
Quanto ao 'Palácio'. Nunca lá fui, mas já estudei o outro Palácio, burguês, Britânico, muito 'estiloso', altamente rico em pormenores construtivos, nos materiais empregues...

;)

tornazul disse...

Nos jardins do Palácio namorei. Tinha 23 anos. Eram muito bonitos os jardins. Tenho pena de não ter mais informação sobre o palácio inicial, sobretudo em relação ao ferro e ao vidro. Seriam de fabrico nacional, como o ferro da elevador de Santa Justa ou teriam sido importados?