9 de junho de 2005

Reflectindo



No início dos anos noventa veio parar-me às mãos, por empréstimo, um álbum com fotografias do Porto tiradas por um cidadão inglês, fotógrafo amador, na última década do século XIX. Entre os inúmeros originais fotográficos havia uma imagem esplêndida, tirada do miradouro da Vitória, que mostrava todo o vale fronteiro à Sé. A curiosidade levou-me a reproduzir a fotografia e a deslocar-me ao local - o largo socalco onde esteve instalada uma bateria de artilharia durante o Cerco do Porto - para observar as diferenças.
Deparei com um edifício de construção recente, um balneário, que sendo útil para a população residente, constitui uma intervenção infeliz por ter tapado parte da vista do miradouro. Como se isto não fosse suficiente para provocar descontentamento, enfeitaram-no com um conjunto de antenas retransmissoras de uma rede de telefones móveis.
O edifício, como muito outros remodelados no centro histórico do Porto, o tal que é património da humanidade, apresenta na fachada oposta à da fotografia um adiantado estado de degradação. Degradação mais próxima do aviltamento que atinge os objectos de consumo que acabam no lixo, e nestes incluo um grande leque que pode ir do automóvel à embalagem tetrapack, do que da serena e respeitável decadência provocada pela marcha implacável do tempo.

10 comentários:

Draco disse...

Adorei o Blog e as fotos são lindas!
Parabéns!

Pedro Estácio disse...

Se o Porto tem coisa magníficas, como o Carlos tão bem retrata nas suas fotografias, infelizmente tb há coisa estéticamente escabrosas nesta nossa cidade!

Ainda assim, o PORTO é um cidade BELA!

T. disse...

Repito(-me): obrigada.

Belíssima, a foto. Magnífico de acutilância, o texto.

Abraço. T.

guevara disse...

Concordo contigo.
O meu penúltimo trabalho (projecto), para a discilpina de Projecto, foi recuperar e reprojectar o JArdim da Vitória,e como tal, perceber e integrar, e interpretar toda a paisagem. Este edifício, bem dizes ser necessário, mas penso q a intervenção não passava por aqui(lo).
Fico à espera de mais exemplos, pelo teu ponto de vista...

;)

catarina disse...

andava a saltar à toa, de blog em blog, quando vim parar ao teu... e senti-me em casa... quase que ouvi os meus passos a ressoar na ribeira, e o vento do Douro a acariciar-me o rosto... faço investigação e estou neste momento na Suécia, numa cidade que aprendi a amar, devagarinho, como sempre se aprende a amar tudo... mas o Porto será sempre a única cidade que eu saberei amar "desta forma tão intrínseca, tão inevitável" (http://www.olhares.com/galerias/detalhe_foto.php?id=84703). Voltarei. Aqui, para matar saudades. À Minha Cidade... a essa, estou sempre de volta...

Ideiafixe(Fotofixe) disse...

Carlos,
Preciso revelar um rolo de Infra-Vermelhos aqui pelo Porto... palpites?
Obrigado!

Beatriz Abrantes disse...

Como falamos cá no Brasil, "É chover no molhado " dizer das belezasa de tuas fotos e textos, mas mesmo assim lá vaí: Magnifica!!!!!
Adoro tuas fotos.

António disse...

Continua a ser um dos melhores blogs que conheço.
E se nos reportarmos ao aspecto temático, acho que não há igual.
Se houver, que me mostrem!
Abraço (e continua)

LN disse...

surpeendente... as fotos e o blog em si. E nem sou dessa cidade, ainda que sendo :)
Linkei.

Kraak/Peixinho disse...

Hey Carlos :) Estar fora privou-me de ver este teu fabuloso blog! Continuas imparável! Parabéns novamente!
Abraço