13 de junho de 2005

Rua Duque de Palmela 111

Pelo lado dos lódãos ao fim do dia
depressa se chega agora no verão
à pedra viva do silêncio
onde o pólen das palavras se desprende
e dança dança dança até ao rio.

Eugénio de Andrade
1923-2005

3 comentários:

Pedro Estácio disse...

Procura a maravilha.

Onde um beijo sabe
a barcos e bruma.

No brilho redondo
e jovem dos joelhos.

Na noite inclinada
de melancolia.

Procura.

Procura a maravilha.

Eugénio de Andrade


Do Porto para a Imortalidade...
A sua memória e poesia encontram-se espalhadas eternamente nos recantos do nosso Porto.

sombr|A|rredia disse...

Obrigada por neste post, encontrar um sopro desse grande homem, que hoje decidiu "voar pra longe" de nós.

Mendes Ferreira disse...

C
A
R
L
O
S romão uma outra forma de dizer-fazer-inscrever-"arrepanhar" a
P
O
E
S
I
A.